A direção nacional do Democratas, partido presidido pelo prefeito de Salvador, ACM Neto, divulgou nota ontem afirmando que irá “punir exemplarmente os eventuais responsáveis” pelo que é apontado em investigação da Polícia Federal como a maior candidata laranja das eleições de 2018. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a PF afirma haver fortes indícios de que verba eleitoral pública do DEM nacional foi desviada por meio da candidatura da policial militar Sonia de Fátima Silva Alves, no Acre. A agremiação comanda hoje o Congresso Nacional, com Rodrigo Maia (RJ) na Câmara e Davi Alcolumbre (AP) no Senado.

“Diante do noticiado nesta segunda-feira, a direção nacional do Democratas informa que vai instaurar um procedimento apuratório interno para acompanhar formalmente as denúncias relacionadas à aplicação de recursos públicos em campanhas femininas pela direção partidária no estado do Acre, bem como para punir exemplarmente os eventuais responsáveis”, diz a nota divulgada pelo partido.

“É importante ressaltar que a matéria veiculada nesta manhã, ao reproduzir o relatório final da Polícia Federal, absolve o diretório nacional da sigla de qualquer responsabilidade, uma vez que a indicação das candidaturas femininas beneficiadas com recursos públicos é de exclusiva competência do órgão partidário local”, acrescenta o texto.

De acordo com o inquérito da PF, ao qual a Folha teve acesso, Sonia foi usada como candidata laranja para desvio dessas verbas em benefício da campanha do deputado federal Alan Rick (AC), presidente do Diretório Estadual do DEM e membro de Executiva Nacional do partido. A maior parte da receita declarada pela candidata foi repassada por meio de uma transferência eletrônica assinada em 13 de setembro de 2018 por Romero Azevedo, tesoureiro nacional, e “A Magalhães NT” — Antonio Carlos Magalhães Neto.

“Sendo Alan Rick o beneficiado direto com os gastos de campanha da candidata e tendo ele, ao mesmo tempo, controle do comitê financeiro, que é quem responde civil e criminalmente pelas irregularidades, parece sinalizar que, sem eximir os demais membros do comitê de parte da responsabilidade, Alan Rick Miranda é responsável pelas irregularidades identificadas”, diz relatório do delegado responsável, Jacob Guilherme da Silveira Farias de Melo.

Neto afirmou que só tomará uma medida efetiva sobre a suspeita de candidatura laranja no Acre após comprovação da culpabilidade dos envolvidos. “Caso haja um desfecho no processo judicial que confirme a culpabilidade, então, aí, sim, teremos processo disciplinar que pode levar até a expulsão do parlamentar, mas, evidente que só podemos tomar qualquer posição definitiva depois que houver a conclusão das investigações e do processo na Justiça Eleitoral do Acre”, disse.

Compartilhar