Por Thaís Garcia – Conexão Política

De acordo com o Morning Star News, um cristão no estado de Odisha, no nordeste da Índia, foi severamente espancado por uma multidão por realizar uma reunião de oração cristã em sua casa. Segundo relatos locais, o cristão foi espancado quase até a morte pela multidão.

Em 11 de março, Kama Sodi e sua esposa, Bima, convidaram um pastor para liderar uma reunião de oração em sua casa com outros 20 cristãos em Malkangiri, Odisha. Por volta do meio-dia, os moradores locais invadiram a casa de Sodi e exigiram que os cristãos dissolvessem a reunião imediatamente.

Mais tarde no mesmo dia, depois que o pastor deixou a vila devido às ameaças, uma multidão de 60 moradores voltou à casa de Sodi e o atacou. Eles espancaram Sodi com sandálias, paus, punhos e o chutaram repetidamente no estômago. Segundo Sodi, ele foi espancado quase até a morte, enquanto sua esposa Bima protegia seus dois filhos pequenos, com idades entre 3 e 6 anos.

Quando a multidão exigiu que eles abandonassem sua fé cristã, o casal recusou. Segundo o Morning Star News, Bima disse à multidão: “Mesmo que você nos mate, não abandonaremos Jesus”. A multidão respondeu às palavras de Bima destruindo o armazenamento de alimentos, equipamentos elétricos, utensílios e documentos importantes da família.

Após o ataque, um pastor ajudou a levar Sodi ao hospital onde ficou por uma semana. O pastor também tentou ajudar a família a registrar um boletim de ocorrência. No entanto, a polícia indiana se recusou a tomar medidas contra os agressores.

Ataques contra cristãos na Índia

De acordo com um comunicado recente do United Christian Forum (UCF) na Índia, os ataques a cristãos e seus locais de culto continuaram a aumentar em número e gravidade em 2020. Em apenas março, 27 ataques violentos foram relatados de 11 diferentes estados indianos.

A UCF, uma organização cristã que defende cristãos na Índia, criou uma linha de apoio em 2015 para registrar o número de ataques aos cristãos da Índia. De 1º de janeiro a 31 de março de 2020, a UCF documentou 56 ameaças contra cristãos e 26 agressões físicas. Isso totalizou 82 ataques documentados.

De acordo com o relatório da UCF, esses ataques foram perpetrados principalmente por multidões e ocorreram em Uttar Pradesh, Chhattisgarh, Tamil Nadu, Odisha, Bihar, Karnataka, Madhya Pradesh, Maharashtra, Telangana e Goa. Na maioria dos ataques, multidões atacaram cristãos porque eles se opunham à realização de cultos.

Por exemplo, em 12 de março, uma multidão atacou um pastor e seu filho de 6 anos porque eles estavam administrando uma igreja doméstica. A filha de 8 anos do pastor também foi forçada a se despir pela multidão. Eles disseram à garota que ela seria espancada até a morte se não cumprisse o ordenado.

Em 15 de março, uma multidão de 300 indivíduos atacou um culto em uma igreja em Kunda Thana, localizado no estado indiano de Uttar Pradesh. O pastor da igreja foi espancado pela própria polícia indiana e acusado falsamente de usar a igreja para “crimes”.

O bloqueio nacional da Índia em resposta à pandemia do COVID-19 diminuiu o número de ataques a cristãos. No entanto, ataques contra cristãos e seus locais de culto provavelmente retornarão quando o bloqueio for finalmente suspenso. É preciso que muito mais seja feito na Índia para garantir os direitos da minoria cristã do país e levar os autores desses ataques à justiça.

Compartilhar