O comandante de Policiamento Especializado (CPE) da Polícia Militar, coronel Humberto Sturaro, informou em entrevista, nesta sexta-feira (15), que as pessoas que furarem o bloqueio de trecho interditado da orla de Salvador, entre a Pituba e Boca do Rio, podem ser detidas.

Desde quarta-feira (13) que o trecho da orla está bloqueado. A ação é uma das medidas da prefeitura de Salvador para combate ao coronavírus.

O coronel informou que as pessoas que não obedeceram ao bloqueio serão conduzidas por crime contra a saúde pública.

“Não queremos jamais chegar ao extremo. Nosso primeiro passo será aconselhar, orientar, mas se for necessário, vamos conduzir quem não cumprir o decreto, por desobediência e também por crime contra a saúde pública”, explicou.

O coronel disse que é lamentável ter que adotar esse tipo de ação na orla, pois ele acreditava que as pessoas estavam mais conscientes diante da pandemia.

“Se o decreto foi estabelecido, foi por necessidade de um bem comum, que é a saúde pública, a saúde de todos. À Polícia Militar cabe, por determinação do governo do estado, apoiar, ser um braço forte junto à prefeitura, para que essas determinações, esse decreto, sejam cumpridos. Infelizmente houve esses flagrantes, vamos intensificar o policiamento para que seja cumprido o que foi determinado. Eu sei que é difícil, nós já imaginávamos que ia acontecer principalmente com a saída do sol”, falou.

Sturaro disse que entende a necessidade das pessoas em fazer atividades físicas, mas destaca que esse é o momento de ficar em casa.

“Eu sei que é complicadíssimo as pessoas ficarem em casa, a necessidade de aliviar o estresse. Isso [o bloqueio] está determinado por sete dias. Nós estamos buscando o bem comum de todos, é melhor a gente perder esses sete dias do que lá na frente ter que ficar com uma pessoa no hospital. Vamos vencer isso todos juntos”, enfatizou.

Nesta sexta-feira, pessoas foram flagradas furando o bloqueio na orla, fazendo caminhadas e andando de bicicleta. Nos trechos onde a prefeitura bloqueou o calçadão com madeiras e fitas, as pessoas desciam da calçada e seguiam pela rua.

Compartilhar