Desde que as manchas de óleo começaram a aparecer com maior frequência no litoral baiano o movimento nas peixarias caiu consideravelmente. Pescadores e vendedores amargam prejuízos e a população tem buscado alternativas para a proteína, mas o que muita gente não sabe é que os peixes de água doce, que não apresentam risco de contaminação com o petróleo, também são abundantes no mercado.

Confira algumas das espécies de peixes de água doce vendidas em Salvador e região. Por terem sido pescados em rios, criados em cativeiros ou trazidos de outros estados e países, eles não tiveram contato com o petróleo cru que tem chegado à costa brasileira. Veja também a importância nutricional desse tipo de carne.

Tilápia – Ele é criado em cativeiro e uma das espécies mais consumidas na Bahia.

Traíra – São peixes ricos em nutrientes, como proteínas, complexos vitamínicos e carboidrato.

Tambaqui – Nutricionistas afirmam que peixes de água doce tem menos colesterol que os de água salgada.

Filhote – São comuns nos mercados de Salvador, mas pescados nos rios do Pará, na região norte do Brasil.

Dourado – São animais ricos em gorduras poli-insaturadas, consideradas pelos especialistas como ‘gorduras boas’.

Salmão – É um peixe comum em Salvador e no restante do Brasil, mas que vem do Chile.

Piau – Ricos em ômega 3 e vitaminas, entre outros nutrientes.

Curimatã ou curimbatá – Peixe de água doce comum nos mercados de Salvador.

Pintado ou Surubim – Comum no Amazonas e região do São Francisco, na Bahia.

Piranha – Apesar de lagumas pessoas torcerem o nariz, é um peixe de água doce rico em nutrientes.

Compartilhar