As vendas do varejo na Bahia seguiram em alta no mês de maio – 2,9% a mais que em abril e 29,4% quando comparada com o mesmo período do ano passado. É o segundo avanço consecutivo do estado acima do resultado nacional, que ficou em 1,4% no mês. Os dados são da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE.

Com o desempenho de abril para maio, o volume de vendas no comércio varejista na Bahia já está 4,3% acima do patamar verificado na pré-pandemia, em fevereiro do ano passado.

Agora, o varejo baiano acumula alta de 9,5% nas vendas de janeiro a maio desse ano, frente ao mesmo período do ano anterior. O resultado também ficou acima do nacional (6,8%).

Com a melhora, o desempenho no setor também passou a ser posivita no acumulado de 12 meses que se encerram em maio, comparando com mesmo período anterior, chegando a alta de 3,5%.

Segundo os dados do IBGE, 7 das 8 atividades do varejo baiano tiveram alta. Só o setor de supermercados apresentou queda. A taxa mais positiva, novamente, foi o segmento de tecidos, vestuário e calçados, com avanço recorde de 410,3%. Em seguida aparece o setor de outros artigos de uso pessoal (97,2%).

Como em abril, só ficou negativo o segmento de supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, com queda de 9,4%. Esse é o segmento de maior influência no comércio baiano e chega ao sétimo resultado negativo em sequência – vem em queda desde novembro do ano passado. O acúmulo de perda no ano é de 9,3%. O desempenho negativo do segmento, portanto, impede um crescimento ainda maior do varejo.

Compartilhar