por Samuel Celestino

Observa-se um fato que tanto se manifesta nas sucessões estaduais como, e principalmente, na sucessão presidencial: a presença das pesquisas, guias incontestes dos movimentos dos candidatos, para cima ou para baixo, para frente ou para atrás. A política brasileira, por consequência, é determinada pelos institutos de avaliação de candidaturas em relação aos eleitores, comandando as campanhas eleitorais, forçando modificação dos comitês, conforme os resultados das consultas. Mais do que isso, os resultados que divulgam estabelecem mudanças de ascensão ou queda nos mercados de capitais.

De forma geral, não tenho motivos para acreditar nas pesquisas de opinião, embora seja obrigado a acompanhar seus movimentos porque elas passaram as conduzir as campanhas. De todas, a que mais dou crédito é o Datafolha, por ser um instituto que se vincula a um grupo jornalístico sério, o Folha de S.Paulo. Outras têm origens incertas e existem algumas que são consideradas de “fundo de quintal”, como a que ganha notoriedade na Bahia, a Babesp. Apura até quem pode ser eleito na disputa proporcional, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa da Bahia.

Excluindo os resultados que a tal Babesp apresenta, melhorando ou piorando a situação dos candidatos, pode correr o risco de perder a sua pouca importância, que, no meu caso pessoal, não tem. Ela é quase uma empresa, se empresa for, fantasma, que até bem pouco ninguém sabia como nasceu, quem são seus sócios, de tal maneira que chegou a ser denominada de DataNilo. De certo modo pegou. Nilo não desgostou.

Ao que se sabe não tem sede. Não se tem conhecimento da sua metodologia. Somente em tempo recente surgiam nomes que poderiam ser seus diretores. Os que assim vieram à luz são pessoas basicamente desconhecidas, provavelmente uma geração espontânea ou, talvez, fantasmas, portanto a eles me refiro com parcimônia e usando suposições. Até porque não sou também de acreditar em fantasma. Não importa se o tal Babesp apresenta números que favorecem a Paulo Souto, Rui Costa, a Lídice da Mata, enfim a quem quer que seja. É o de menos embora seja a razão da qualquer pesquisa.

Como acreditar numa consulta que garimpa números ou percentuais para o governo do Estado, para a campanha presidencial, e ousa fazê-lo o que nenhum instituto, que pode ser chamado de instituto, faz, como mensurar quem pode ganhar ou perder para deputado estadual ou federal e deixa de lado a campanha majoritária do Senado na Bahia? Ora, depois do governo, o que mais importa para o público é o Senado, mas, neste caso a Babesp não deu importância.

Volto a dizer, por ter uma longa caminhada como jornalista político, que já tropecei nas pesquisas, daí guardar delas distância regulamentar, exceção, já dita, do Datafolha, embora seja levado a tecer comentários sobre os resultados dos institutos mais importantes, dentre eles o Ibope – um dos primeiros do País – e o Sensus. Mas não dá, decididamente não dá para comentar percentuais de um “instituto”, lá o que seja,  que não tem sede, ou tem e ninguém sabe onde, provavelmente, repito, montada em fundo de quintal.

Compartilhar