Presidente do Cidadania na Bahia, o vereador Joceval Rodrigues declarou apoio ao candidato do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), após se reunir com o democrata na última quinta-feira. O nome será anunciado na próxima segunda-feira (06), dia de Reis. O que reforçou a especulação de que o vice-prefeito e secretário municipal de Infraestrutura de Obras Públicas (Seinfra), Bruno Reis (DEM), será o postulante de ACM Neto para disputar o Palácio Thomé de Souza na eleição deste ano.

“O atual prefeito revolucionou a cidade em todos os segmentos. Salvador mudou para melhor e o povo merece uma gestão que conserve tudo que foi feito. Sem dúvidas, ACM Neto fará uma escolha justa. Quem ama a cidade e deseja que cada vez mais ela cresça, deverá prestar total apoio à sua indicação”, argumentou Joceval.

O Cidadania é o primeiro partido a oficializar apoio ao candidato de ACM Neto. Hoje, a legenda tem dois vereadores na Câmara soteropolitana, além de Joceval, Beca. O partido não tem deputado estadual nem federal baiano. O prefeito vai anunciar o seu candidato na manhã da próxima segunda durante um evento no Hotel Fiesta, no Itaigara. Parte dos aliados tem mostrado insatisfação com a articulação do gestor soteropolitana e promete não comparecer.

Presidente do Republicanos na Bahia, o deputado federal Marcio Marinho argumentou o motivo de não comparecer. “Não estarei em Salvador nessa data, pois estou em viagem fora da Bahia”, justificou. Presidente do Republicanos em Salvador, o vereador Luiz Carlos também afirmou que não vai, mas titubeou quando questionado sobre o motivo. “Não estarei… eu vou esperar… Ele confirmou que (o candidato será anunciado no dia 6)… mas ele não ligou para a gente… só vi na mídia”, afirmou Luiz Carlos. O PSDB, que tem ameaçado lançar candidato próprio, até ontem à noite também não tinha confirmado participação no evento.

Em entrevista coletiva, o prefeito ACM Neto falou sobre a possível ausência de correligionário no lançamento do seu candidato à sucessão. “Pode ser que não tenha nenhum partido (no evento). O compromisso é meu de lançar, não dos partidos. (…) Eu não posso obrigar os partidos que estão comigo a apoiarem o meu candidato”, pontuou.

Compartilhar