O senador Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado no final da tarde desta quarta-feira (19) em Sobral, na Região Norte do Ceará, após avançar com uma retroescavadeira contra policias militares que tentam decretar greve da categoria naquele estado. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da Prefeitura de Sobral.

Após ser atingido por um disparo, o senador foi encaminhado para um hospital na região mas, segundo a assessoria do político, ele não corre risco de morte.

A princípio, a assessoria do senador disse que ele havia sido atingido por uma bala de borracha. Depois, informou que o tiro foi, na verdade, disparado por uma arma de fogo.

O irmão do senador, o ex-ministro Ciro Gomes, informou que dois disparos atingiram Cid. “Meu irmao Cid Gomes foi vitima de dois tiros de arma de fogo por parte de policiais militares amotinados e mascarados em Sobral, nossa cidade. Até aqui as informações médicas são de que as balas não atingiram órgãos vitais apesar de terem mirado seu peito esquerdo. Novos exames estão sendo feitos mas a palavra aos familiares e amigos é de que Cid não corre risco de morte”, afirmou Ciro, no Twitter.

“Espero serenamente, embora cheio de revolta, que as autoridades responsáveis apresentem prontamente os marginais que tentaram este homicídio bárbaro às penas da lei”, completou o ex-presidenciável.

Veja momento em que o senador é atingido:

Momentos antes, Cid fez um discurso com críticas ao movimento de paralisações deflagrado nas últimas horas pela Polícia Militar do Ceará.

“Eu vim aqui defender a paz e a tranquilidade do povo de Sobral. Ninguém será chantageado, ninguém deixará de trabalhar, de abrir suas portas e caminhar com tranquilidade em Sobral”, disse o senador.

“Uma coisa é se amotinarem em um local, outra são os próprios que deveriam defender a paz e a tranquilidade serem eles próprios os incitadores da violência. Eu tô aqui desarmado, e vou enfrentar quem armado estiver, sob o custo da minha vida. Mas ninguém vai fazer o que esses bandidos estão fazendo aqui em Sobral”, continuou ele.

Escalada de tensão
Desde a noite dessa terça-feira (18), parte da Polícia Militar do Ceará tem organizado manifestações e ações de greve em protesto contra impasse no reajuste das categorias com o governo do Estado.

Nesta quarta-feira, o governador Camilo Santana (PT) requisitou suporte do governo federal para lidar com paralisações promovidas pelos militares de todo o Estado.

Compartilhar