As cidades de Coronel João Sá e Pedro Alexandre, em que a barragem de Quati rompeu na última quinta-feira (11), ainda vão ficar debaixo de chuva até domingo (14).

A previsão da meteorologista Diva Cordeiro, do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), é de que a chuva deve continuar nos próximos dias. Segunda-feira (14) não tem previsão de chuva intensa.

“Para os próximos dias ainda teremos uma nebulosidade naquela região do nordeste da Bahia. A tendência, no entanto, é que de hoje para sábado elas diminuam a intensidade e a frequência”, afirmou Diva.

No sábado (13), a previsão é de chuva fraca. No domingo (14) ela volta a se intensificar principalmente nos municípios localizados na divisa entre os estados “mas nada comparado ao que tivemos nos últimos dias”.

De acordo com a meteorologista, as chuvas intensas foram causadas por uma frente fria que veio do Sul do país e subiu para o Sudeste, chegando ao Nordeste.

“A frente fria causou decaimento das temperaturas por lá e chegou a alcançar a Bahia, gerando chuvas desde o Sul até o Recôncavo e foi subindo um pouco mais em direção à Sergipe e Alagoas. O principal responsável foi a frente fria que ocasionou todas essas chuvas”, disse.

Além dela, a umidade do Oceano Atlântico auxilia na formação da nebulosidade e na frequência da chuva.

As chuvas nos municípios começaram na segunda-feira (8). O dia mais chuvoso foi a quarta-feira (10) com 33,4mm, seguido pela quinta-feira (11) com 27mm. Nesta sexta-feira (13) foram 16,4mm de chuva.

“O acumulado do dia 8 até esta sexta é de 96,2 mm. É bastante chuva. A previsão era para 30mm em um dia”, disse.

De acordo com o Inema, a média histórica de precipitação do município em julho é de 54mm.  “É normal chover no inverno em toda faixa leste da Bahia. No centro-Leste até o litoral é normal chover e são aquelas chuvas fracas que persistem por vários dias”, disse.

Compartilhar