Por Giulia Granchi – VivaBem

Não há comprovação científica de que o chá seja responsável por adiantar o ciclo menstrual. “O que sabemos por observações clínicas é que algumas ervas, em alta concentração, têm o poder de causar contrações uterinas. Se a mulher já está no processo do ciclo menstrual, o consumo pode contribuir”, explica a ginecologista Carolina Curci, médica do Hospital São Luiz.

De acordo com a especialista, os efeitos do chá só acontecem quando o consumo, além de concentrado, é feito em grandes quantidades. No entanto, não se sabe exatamente a dosagem efetiva, já que cada organismo reage de uma forma diferente e não há estudos confiáveis que indiquem o dado.

Para grávidas, consumo dos chás traz risco de aborto e até morte

Muitas mulheres apostam nesses chás para eliminar a dúvida de gravidez. Mas é exatamente aí que mora o perigo. “Se já estiverem grávidas, pela contração do útero causada pelo consumo das ervas, as mulheres podem sofrer hemorragias, abortamento, e em casos mais graves, morrerem”, esclarece Marcelo Pellissier, médico ginecologista da Santa Casa de São José dos Campos. Por segurança, vale consultar quais chás as grávidas não devem tomar e evitar as misturas mesmo quando há apenas a suspeita.

Quais chás causam contração uterina?

São chamadas de emenagogos as plantas ou substâncias que provocam a contração uterina. Alguns dos chás inseridos nessa categoria, são:

  • Arruda
  • Alfafa
  • Canela
  • Calêndula
  • Funcho
  • Babosa
  • Catuaba
  • Erva de Santa Maria
  • Erva macaé
  • Cascara sagrada
  • Romã
  • Sene
  • Angélica
  • Mirra
Compartilhar