Aproximadamente 40 mil pessoas foram demitidas do setor de turismo no estado da Bahia, segundo estimativa do presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis da Bahia (ABIH-BA), Luciano Lopes. Para ele, com a reabertura econômica, estes empregos devem ser recuperados.

“A previsão é que esses empregos sejam recuperados com o passar do tempo, até abril ou maio”, disse o gestor da ABIH em entrevista na rádio A TARDE FM, na manhã desta segunda-feira, 10.

De acordo com uma pesquisa do Observatório do Turismo, a maioria das empresas fechou durante a pandemia, representando 84,6%. Ainda conforme o levantamento, que pesquisou 716 empresas na Bahia entre junho e julho, 87,7% dos hoteis fecharam as portas no período. Destas, 55,2% afirmaram ter feito demissões.

Luciano também criticou a dificuldade de empresas do setor hoteleiro de ter acesso a linhas de crédito, que facilitariam a recuperação econômica das empresas.

“O acesso ao crédito é muito difícil, fizemos convênios para acompanhar o setor hoteleiro e percebemos que ainda muitos noteis não conseguiram ter acesso. Não só noteis mas como outras empresas dos seguimento. De forma geral poucos conseguiram”, explicou Lopes.

Ainda conforme a pesquisa realizada pelo Observatório do turismo, a maioria dos empresários pesquisados, afirmou ter necessidade de crédito no momento, representando 88,6%. Entretanto, 65,5% afirmou não ter participado de nenhum programa de incentivo.

A expectativa com a reabertura de restaurantes, bares, academias, salões de beleza e museus, que começaram a poder reabrir suas portas a partir desta segunda-feira, 10, é que isso volte a aquecer o setor hoteleiro e a retomada dos empregos seja gradual.

Destinos requisitados, como Praia do Forte, em Mata de São João, também começaram a ensaiar um retorno, mesmo por etapas, da atividade turística.

Compartilhar