O decano Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido de Jair Bolsonaro para prestar depoimento por escrito no inquérito que apura suposta interferência do presidente na Polícia Federal (PF).

A decisão publicada ocorreu na manhã de hoje (11).

Celso disse que o presidente vai ter de ir pessoalmente à PF responder às perguntas dos investigadores.

“Note-se, portanto, que o magistrado, ainda que licenciado por razões de saúde – e desde que inexista contraindicação médica (inocorrente na espécie) –, terá a faculdade, sem prejuízo da licença que continuará a usufruir, de julgar todos os processos que lhe hajam sido conclusos, para esse efeito, antes do início e gozo da licença médica que lhe foi concedida”, escreveu.

Compartilhar