A Ouvidoria de Arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) admitiu, em parecer divulgado na madrugada desta quarta-feira, 17, que o Bahia foi prejudicado pela arbitragem na partida de quinta-feira passada, 11, quando foi derrotado por 3 a 0 para o Flamengo, no Maracanã, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O clube baiano entrou com representação na CBF contra a arbitragem e teve como retorno do parecer a resposta “o reclamante tem razão”. Na ocasião, o árbitro marcou um pênalti a favor do Flamengo, mesmo após olhar o lance no VAR, por enxergar que a bola teria tocado no braço do zagueiro tricolor, Germán Conti, quando na verdade a bola tocou em seu peito.

O parecer foi escrito pelo ouvidor Manoel Serapião Filho. “As infrações de mão só ocorrem quando há efetivo contato da bola com a mão/braço de um jogador. Assim, ao analisar os lances da espécie, cabe ao VAR, antes de tudo, se certificar se houve o indispensável contato. Só a partir daí é possível considerar as circunstâncias do toque para definir se houve ou não infração”.

Serapião, porém, alegou que a responsabilidade não foi só do árbitro da partida, Vinícius Gonçalves, mas também da equipe do VAR, que não confirmou que a bola não teria tocado no braço de Conti. “Sem pretender minimizar o erro do árbitro, é preciso afirmar que o VAR não disse que a bola não tocou no braço do defensor, como o Reclamante afirma, mas, ao contrário, menciona que a bola tocou no peito do defensor e após em seu bíceps”, disse Serapião.

Compartilhar