O Brasil tem 106.574 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h deste sábado (15), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.

Desde o balanço das 20h de sexta-feira (14), dois estados atualizaram seus dados: GO e RR.

Veja os números consolidados:

  • 106.574 mortes confirmadas
  • 3.279.412 casos confirmados

Na sexta-feira (14), às 20h, o balanço indicou: 106.571 mortes, 1.007 em 24 horas. Com isso, a média móvel de novas mortes no Brasil nos últimos 7 dias foi de 981 óbitos, uma variação de -4% em relação aos dados registrados em 14 dias.

Sobre os infectados, eram 3.278.895 brasileiros com o novo coronavírus, 549.274 desses confirmados no último dia. A média móvel de casos foi de 44.547 por dia, uma variação de 0% em relação aos casos registrados em 14 dias.

No total, 4 estados apresentaram alta de mortes: SC, MG, AM e TO.

Em relação a quinta (13), MS deixou de apresentar alta de mortes e está em estabilidade. ES e MT estavam em estabilidade e, agora, estão em queda.

Progressão até 14 de agosto

  • Total de mortes: 106.571
  • Registro de mortes em 24 horas: 1.007
  • Média de novas mortes nos últimos 7 dias: 981 por dia (variação em 14 dias: -4%)
  • Total de casos confirmados: 3.278.895
  • Registro de casos confirmados em 24 horas: 49.274
  • Média de novos casos nos últimos 7 dias: 44.547 por dia (variação em 14 dias: 0%)

    (Antes do balanço das 20h, o consórcio divulgou dois boletins parciais, às 8h, com 105.615 mortes e 3.230.436 casos; e às 13h, com 105.791 mortes e 3.238.216 casos confirmados.)

    Estados

    • Subindo: SC, MG, AM e TO.
    • Em estabilidade, ou seja, o número de mortes não caiu nem subiu significativamente: PR, RS, SP, DF, GO, MS, AP, PA, RO, BA, PB, PI e SE.
    • Em queda: ES, RJ, MT, AC, RR, AL, CE, MA , PE e RN.

    Essa comparação leva em conta a média de mortes nos últimos 7 dias até a publicação deste balanço em relação à média registrada duas semanas atrás (entenda os critérios usados pelo G1 para analisar as tendências da pandemia).

Compartilhar