Por Mário Bittencourt

A Operação Faroeste provocou o cancelamento da eleição para a presidência do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ). Prevista para ocorrer hoje, a disputa agora não tem prazo para ser realizada, informou a assessoria de imprensa da Corte. Entre os candidatos ao posto, estavam os desembargadores Maria da Graça Osório Pimentel Leal e José Olegário Monção Caldas, ambos afastados por ordem do STJ.

Como o atual presidente do tribunal, Gesivaldo Britto, também está afastado e impedido de acessar as dependências da Corte, o regimento interno do TJ determina que ele seja substituído pelo 1º vice-presidente, o desembargador Augusto de Lima Bispo.
Durante 90 dias, prazo inicial do afastamento, outros quatro integrantes do tribunal assumirão as funções dos desembargadores investigados para que os processos sob a alçada deles não fiquem parados.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) informou que os procedimentos instaurados em face de magistrados do TJ, referentes ao suposto envolvimento em esquema de venda de sentenças, “estão tramitando normalmente na corregedoria nacional, observando o segredo de justiça previsto no artigo 54 da Lei Orgânica da Magistratura (Loman)”.

“Em todos os procedimentos de competência da Corregedoria, o corregedor do CNJ, ministro Humberto Martins, afirma que o órgão vem adotando providências de forma célere”, diz o comunicado oficial do órgão.

Também em nota à imprensa, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na Bahia afirmou considerar que apurações como esta, deflagrada hoje, contra a suposta venda de decisões judiciais, são necessárias para combater a corrupção e também uma excelente oportunidade para passar a limpo a Justiça da Bahia”.

Fonte: Correio da Bahia

Compartilhar