Por Thaís Seixas e Vinícius Ribeiro

A expectativa era grande para a abertura das portas de um shopping de Salvador na manhã desta sexta-feira, 29. Muito antes das 6h – horário previsto para o início das vendas -, centenas de clientes já se aglomeravam do lado de fora para não perder nem um minuto da Black Friday.

No horário marcado, a correria tomou conta da entrada do estabelecimento, que já estava com cinco grandes lojas de departamento funcionando. Quem entrou na frente já garantiu os produtos desejados: no topo da lista estão os eletrodomésticos, especialmente as TVs.

Assista movimentação hoje pela manhã (29):

 

Data especial para o varejo

A gerente de marketing do Shopping da Bahia, Mayara Diniz, destaca que a Black Friday entrou para o calendário anual do varejo, como uma data significativa para as vendas.

“A gente tinha Dia das Mães, São João, Dia dos Namorados, e agora temos também a Black Friday. É uma data extremamente importante, e todos os shoppings e lojas se preparam para isso. Acaba sendo uma sexta-feira em que a gente tem um fluxo no shopping superior a 30% de uma sexta normal. Como esse ano a gente tem uma crescente boa, estamos esperando um fluxo de 15% maior em relação à edição anterior”, explica.

A Black Friday vai movimentar o comércio baiano durante todo o dia. A expectativa dos lojistas e empresários para esta edição é de alta nas vendas. “Em todo comércio, a estimativa é o crescimento econômico de 5% e de 20% nas unidades vendidas”, afirma o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia, Paulo Motta.

Segundo o dirigente, a entidade leva em consideração para o aumento das vendas a “redução de preços e margem de lucro das empresas”.

A gerente de marketing do Shopping da Bahia, Mayara Diniz, destaca que a Black Friday entrou para o calendário anual do varejo, como uma data significativa para as vendas.

“A gente tinha Dia das Mães, São João, Dia dos Namorados, e agora temos também a Black Friday. É uma data extremamente importante, e todos os shoppings e lojas se preparam para isso. Acaba sendo uma sexta-feira em que a gente tem um fluxo no shopping superior a 30% de uma sexta normal. Como esse ano a gente tem uma crescente boa, estamos esperando um fluxo de 15% maior em relação à edição anterior”, explica.

A Black Friday vai movimentar o comércio baiano durante todo o dia. A expectativa dos lojistas e empresários para esta edição é de alta nas vendas. “Em todo comércio, a estimativa é o crescimento econômico de 5% e de 20% nas unidades vendidas”, afirma o presidente do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado da Bahia, Paulo Motta.

Segundo o dirigente, a entidade leva em consideração para o aumento das vendas a “redução de preços e margem de lucro das empresas”.

TIRE SUAS DÚVIDAS SOBRE A BLACK FRIDAY

Quais os direitos do consumidor comprando em promoção?
É importante ficar claro que o CDC não prevê mudanças no direito do consumidor comprando em promoção ou não. O que muitas vezes acontece é a dúvida se a pessoa tem direito a troca do produto adquirido em promoção. “Se o produto comprado estiver defeituoso e isto não tiver sido o motivo da promoção, o que deve estar muito claro ao consumidor, sim, pode ser trocado”, relata o advogado.
 
E como funciona a troca?
A legislação prevê o direito à troca nos casos em que há um problema no produto, no prazo de 30 dias, para produtos e serviços não duráveis, e 90 dias, para produtos e serviços duráveis. Funciona assim: a pessoa comprou um aparelho de som e descobre que não está funcionando corretamente. Como se trata de um produto durável, tem 90 dias da compra para solicitar à loja que faça o devido reparo. A loja tem a obrigação de receber o produto e encaminhar para a assistência técnica, resolvendo o problema em 30 dias.
 
Caso não haja resolução, o consumidor pode exigir que haja a substituição do produto por outro da mesma espécie, em perfeitas condições de uso; a restituição imediata da quantia paga ou o abatimento proporcional do preço. A loja pode restringir o prazo para troca em caso de produtos em promoção, mas precisa deixar essa informação clara para o consumidor.
 
No caso de arrependimento, pode desistir da compra?
Toda compra de produto ou serviço que ocorrer fora do estabelecimento comercial – internet, telefone, venda por catálogo – o consumidor tem um prazo de sete dias para se arrepender da compra. Nesse caso, a pessoa pode devolver o produto comprado sem gastar nada a mais por isso, incluindo o valor do frete que deve ser pago pela empresa. Essa regra não vale para as compras feitas em lojas físicas.
 
O que fazer em caso de propagandas enganosas e abusivas?
O CDC proíbe práticas que induzam o erro do consumidor ao comunicar itens como valor e características do produto de forma enganosa. “Caso seja verificado que o fornecedor elevou o preço dias antes para depois reduzir, ou que, de outra forma, a redução é falsa, o consumidor pode ajuizar uma reclamação no juizado especial”, explica o professor.
 
A quem recorrer?
Em Salvador, o Fórum do Juizado Especial fica no Imbuí. No local, são processadas causas de até 40 salários mínimos, sendo que, até 20 salários mínimos, não precisa de advogado. Acima de 40 salários mínimos, o encaminhamento é dado na justiça comum. Além disso, o consumidor pode comunicar aos órgãos de proteção ao consumo, a exemplo da Superintendência de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) e da Coordenadoria de Proteção e Defesa do Consumidor (Codecon).
 
Quais os cuidados na hora da compra?
Em compras online, é importante verificar a reputação da loja e se há reclamações contra o fornecedor e como são resolvidas – em lugares como o Reclame Aqui, por exemplo.
 
Já no caso de compras em lojas físicas, é importante estar atento ao bom funcionamento do produto, se há defeitos ou avarias e, no caso de produtos perecíveis, como alimentos, verificar a validade e o acondicionamento.
Compartilhar