A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e Secretaria Municipal da Saúde (SMS) informaram, em nota, que a Bahia possui 15 casos suspeitos de coronavírus até às 10h desta segunda-feira (2). Estes pacientes ainda aguardam análise laboratorial para saber se possuem ou não a doença.

De janeiro até hoje, foram registrados 47 casos notificados com suspeita clínica de infecção pelo novo coronavírus, dos quais 21 foram excluídos por não se enquadrarem no protocolo do Ministério da Saúde e 11 foram descartados laboratorialmente.

Os municípios notificantes foram Camaçari, Feira de Santana, Ilhéus, Itabuna, Jacaraci, Jequié, Lauro de Freitas, Salvador, Teixeira de Freitas, Tucano e Vitória da Conquista.

Os números representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA) em conjunto com os Cievs municipais.

As secretarias ressaltam que os números são dinâmicos e passíveis de reenquadramento na sua classificação na medida em que as investigações clínicas e epidemiológicas avançam.

O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de materiais respiratórios (aspiração de vias aéreas ou indução de escarro). Na suspeita de coronavírus, é necessária a coleta de duas amostras, que serão encaminhadas com urgência para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen-BA).

Para confirmar a doença, é necessário realizar exames de biologia molecular que detecte o genoma viral. O diagnóstico do coronavírus é feito com a coleta de amostra, que está indicada sempre que ocorrer a identificação de caso suspeito.

O paciente com diagnóstico positivo para o novo coronavírus pode ter grau leve, moderado ou grave da enfermidade. Os enfermos podem ser atendidos em unidades primárias de atenção básica, unidades secundárias ou precisar de internação. Mesmo definindo unidades de referência, não significa que ele só pode ser atendido em hospital.

Os casos graves devem ser encaminhados a um Hospital de Referência para isolamento e tratamento. Os casos leves devem ser acompanhados pela Atenção Primária em Saúde (APS) e instituídas medidas de precaução domiciliar.

A fim de ampliar as medidas de prevenção contra infecções virais como Coronavírus, H1N1, H3N2 e Influenza B, as autoridades sanitárias municipais e estadual vem sensibilizando a sociedade sobre a importância da higiene regular das mãos e ratificar a necessidade de cumprimento da Legislação Estadual nº 13.706/2017, que determina a disponibilização de dispensadores de álcool gel por parte de estabelecimentos comerciais que prestam serviços diretamente à população.

Compartilhar