Um grande susto para os passageiros de um vôo da Ryanair no domingo, 30 de agosto, quando a polícia britânica prendeu naquele dia, dois terroristas a bordo de um avião da companhia Ryanair no vôo FR7364. Segundo as autoridades aeroportuária britânicas, o avião foi escoltado por caças da RAF porque representava uma ” ameaça ” à segurança de vôo e ao território britânico.

A empresa declarou que a tripulação da aeronave foi alertada ainda em vôo pela coordenação operacional da empresa sobre “uma ameaça potencial à segurança a bordo” e que depois foi parcialmente confirmada pelos tripulantes, após a descoberta de objetos suspeitos no banheiro da aeronave.

Os dois homens presos têm 34 e 48 anos. Um portava passaporte do Kuwait, o outro passaporte da Itália, mas ambos são suspeitos de uso de documentos falsos pois são de origem argelina/tunisiana.

A prisão foi feita à noite, por volta das 20h (horário francês), no aeroporto de Stansted, nos arredores de Londres, quando o avião voltava de Viena, na Áustria, segundo a polícia britânica.

“ Seguindo os procedimentos, o comandante notificou as autoridades britânicas e seguiu para Londres Stansted, onde a aeronave pousou normalmente e os passageiros puderam desembarcar ” com total segurança “” , disse o porta-voz da Ryanair.

De acordo com a Força Aérea Britânica, a Força Aérea Real (RAF), dois aviões de combate do tipo Typhoon foram mobilizados ” para interceptar um avião civil ” e finalmente foi ” escoltado para um local seguro para em Stansted ”.

Policiais armados de combate ao terrorismo teriam cercado o avião por volta das 19h20, quando o avião pousou em uma área remota do aeroporto de Londres Stansted.

Os dois homens de origem argelina/tunisiana foram detidos sob os termos da Lei Anti Terrorismo e interrogados sobre o incidente, mas ambos foram libertados quando o exame do objeto concluiu que não era nada que oferecesse riscos imediatos, declarou a polícia britânica. A averiguação do uso de passaportes falsos ficará a cargo da Polícia local.

Os temores eram que o incidente poderia ser uma nova tentatica de atentado, pois em 18 de julho de 2020 uma bomba foi encontrada em um vôo da mesma companhia aérea que saiu da Polônia com destino a Irlanda.

Caças Typhoon da RAF na interceptação durante o incidente de 18 julho de 2020. Foto por Andy Longhurst via The Telegraph UK.
  • Com informações The Telegraph UK, Birminghammail.co.uk via redação Orbis Defense Europe.
Compartilhar