Época de inverno representa ar muito seco com narinas, pele e lábios ressecados, e o professor Paulo Saldiva, da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP), comenta como essa característica do inverno interfere em nossa saúde.

Quem faz o papel de aquecer o ar e filtrar as impurezas são as vias aéreas respiratórias. Nesta época, a pressão sobre as vias aéreas aumenta, fazendo com que elas se desidratem, e os mecanismos de remoção dos micro-organismos dependem da umidade do ar para umidificar as vias aéreas, que ficam comprometidas, causando doenças respiratórias.

Em época de seca, os poluentes atmosféricos e as partículas que contêm substâncias tóxicas ficam muito mais tempo em suspensão e, consequentemente, os indivíduos inalam mais impurezas. “Muitas dessas partículas carregam vírus, bactérias que causam algumas doenças infecciosas, cardiovasculares e respiratórias”, explica Saldiva.

O professor comenta que os vírus de transmissão interpessoal, como o influenza e o coronavírus, dependem da proximidade de pessoas infectadas. Neste caso, ele explica que nós somos os vetores desse tipo de doença. “Infelizmente, a covid-19 chega no Brasil no momento propício para a disseminação de doenças virais.”

Paulo Saldiva faz algumas recomendações para evitar os sintomas do ar seco. Buscar usar soro fisiológico para os olhos. Para o nariz, usar gotas nasais sem medicação, de quatro em quatro horas, e umidificar o ar das 10h30 às 15 horas, período maior de secura do ar.

Compartilhar