Um grupo de funcionários do Hospital Evangélico da Bahia, localizado no bairro de Brotas, em Salvador, paralisou as atividades na manhã desta quinta-feira, 23. Os trabalhadores fazem uma manifestação em frente à entidade, em protesto contra atrasos salariais que já estariam completando cinco meses.

O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado da Bahia (Sindisaúde) – Rede Privada, organizador da paralisação, explicou  que a medida foi tomada após várias tentativas de negociação com a direção da unidade de saúde, que passou a praticar o pagamento parcelado das remunerações. Segundo o sindicato, cerca de 70% dos trabalhadores do hospital aderiram à greve.

“Estamos realizando essa manifestação sem previsão para encerramento, pois lutamos pelo bem mais precioso para o trabalhador, que é o seu salário. Se não conseguirmos uma negociação com a entidade, a previsão é de que a paralisação seja total”, pontuou Adauto Silva, representante do Sindsaúde.

Crise financeira

O diretor-geral da entidade, Rosalvo Coelho, confirmou  o atraso dos salários, apontando que a situação ocorre devido a uma crise financeira que atinge todas as entidades de saúde no país, e que tem conversado abertamente com os funcionários sobre o contexto. Ele apontou ainda que há um plano em curso para que o pagamento dos salários seja regularizado em dois meses.

“Estamos planejando regularizar os pagamentos nesses próximos 60 dias. Reunimos os funcionários no auditório ontem para explicar a situação, mostrando tudo de maneira transparente. Tivemos uma perda de receita acentuada de quase R$ 1 milhão por mês. Então, estamos na luta pela sobrevivência”, pontuou.

Compartilhar