A construção de uma estação elevatória de esgoto, às margens da Lagoa do Abaeté, obra gerenciada pela Conder (Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia), causa questionamento e indignação dos moradores e lideranças religiosas da região. O alerta é para os possíveis problemas que a rede de esgoto pode causar ao meio ambiente.

Considerando a importância de preservar espaços dessa natureza, a população soteropolitana manifestou-se no intuito de dar visibilidade ao movimento em defesa ao Abaeté. Moradores, representantes de movimentos sociais, culturais e religiosos querem ser incluídos na tomada de decisão sobre a obra.

‘’Os moradores da região não são contra a implantação de uma construção elevatória de esgoto. Mas nas margens da Lagoa do Abaeté? Não! Precisamos dialogar, encontrar uma alternativa. O abaeté é um patrimônio muito importante para todos nós baianos. Estação de esgoto na beira do abaeté, não!’’, declara a vereadora Aladilce.

A também Ouvidora da Câmara Municipal protocola o projeto de indicação nº495/2020 para tombamento municipal da Lagoa do Abaeté. Considerando a Lagoa como patrimônio cultural e identitário, o tombamento garante assim o respeito à memória e a manutenção de qualidade de vida. Evitando o acúmulo de problemas de conservação e suas consequências mais graves, como a deterioração, os assédios pelas incorporações imobiliárias e por empresa de tratamento de águas e esgoto.

Compartilhar