Desde o início da pandemia, a Prefeitura de Salvador, através da Secretaria de Promoção Social e Combate à Pobreza (Sempre), adotou um conjunto de medidas para proteger as pessoas com deficiência, sobretudo, as que estão em situação de vulnerabilidade social. As ações, coordenadas pela Unidade de Políticas Públicas para Pessoa com Deficiência (UPCD), passam por distribuição de cestas básicas e materiais de higiene, divulgação de cartilhas com orientações acessíveis em Libras e a flexibilização da utilização de máscaras para Pessoas com Transtorno do Espectro Autista.

Já foram distribuídas 13.557 cestas básicas a crianças com microcefalia e alunos da rede municipal com algum tipo de deficiência. Além de 7.393 materiais de limpeza, 43.696 fraldas descartáveis e 16.580 kits de higiene. Foram beneficiadas, até o momento, 53 entidades da sociedade civil, bem como as famílias de crianças com microcefalia referenciadas pelo Centro Dia.

A Sempre criou a Plataforma Doa+Salvador para receber doações, visando diminuir os impactos causados pelo coronavírus.  Outra decisão importante que atendeu a pleito das famílias de autistas foi a flexibilização da utilização de máscaras por pessoas com autismo. A medida foi autorizada pelo prefeito ACM Neto através do Decreto Municipal n° 32.461. A ação leva em consideração as características mais frequentes nas pessoas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), como a reatividade sensorial, a texturas, objetos ou qualquer contato externo com a pele.

No Centro Especializado de Reabilitação (CER), localizado no Subúrbio 360, no bairro de Coutos, as pessoas com deficiência física e intelectual já voltaram a ter atendimento presencial. Desde março, quando foi iniciado o isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus, o acompanhamento dos pacientes estava sendo realizado via teleatendimento. Para a retomada, a unidade passou a trabalhar com 30% da capacidade.

Nos pontos de distribuição de refeições instalados pela prefeitura, são entregues lanches e almoços diariamente, nos Barris, Barroquinha, Itapuã e Restaurantes Populares de São Tomé de Paripe e de Pau da Lima. De acordo com levantamento realizado pela Sempre, 30% do público atendido são pessoas com deficiência e idosos.

A secretária da Sempre, Juliana Portela, afirmou que “as medidas refletem o olhar inclusivo da prefeitura, sobretudo nesse período de pandemia, além do cuidado e respeito com o público PCD”.  Já o diretor da UPCD, Wagner Andrade, destaca que as ações foram reforçadas visando atender as necessidades e garantir os direitos das pessoas com deficiência ”pois acessibilidade não é exceção, é regra”.

Conforme o último censo realizado pelo IBGE, Salvador tem cerca de 700 mil pessoas com algum tipo de deficiência, o que corresponde a 26% da população.

Compartilhar