O discurso do presidente Jair Bolsonaro contra as medidas de restrições para conter o avanço da pandemia de covid-19 no Brasil foi duramente criticado pelo prefeito ACM Neto nesta quarta-feira (25). Neto disse ter ficado perplexo com o teor do pronunciamento feito em TV aberta na noite de terça (24).

“Cconfesso que fiquei duplamente perplexo, de um lado, como prefeito, do outro como cidadão. Considero que as declarações do presidente são lamentáveis e inaceitaveis. Nós temos feito um esforço absurdo, prefeitos, governadores de todo o Brasil, para adotar medidas de restrição no fluxo de pessoas nas ruas. Eu tenho apelado ao cidadão para ficar em casa. Nós sabemos o impacto que todas essas medidas têm na economia, quando você fecha um shopping, quando suspende as aulas, quando impõe restrições severas a restaurantes e bares. É claro que isso tudo tem impacto na cidade. Claro que isso pode significar emprego de muita gente, que isso vai impactar na arrecadação da prefeituras. Nós teremos meses, talvez anos muito dificeis pela frente. No entanto, eu disse que, se todo esse sacrifício tiver significado salvar a vida de uma pessoa, já terá valido a pena, imagina salvar milhares de pessoas em nossa cidade, em nosso país”, falou o prefeito em entrevista coletiva.

Neto, que é do DEM, mesmo partido do ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, ponderou sobre as medidas antecipadas em Salvador indicadas, tanto pelo Ministério da Saúde quanto pela Organizaçao Mundial da Saúde (OMS).

“O que aconteceu na Europa, princpalmente, foi resultado da falta de medidas preventivas, da falta de medidas restritivas, que nós adotamos no momento certo na cidade de Salvador. Nos antecipamos pedindo às pessoas que fiquem em casa, e às vezes impondo isso Cada medida que anuncio, eu faço de coração partido, pois sabemos das consequências que elas têm. No entanto, eu considero a declaração do presidente irresponsável porque, a essa altura do campeonato, o que precisamos é de união de todos.”.
ACM Neto disse que declaração de Bolsonaro, que voltou a comparar doença com uma ‘gripezinha’ e um ‘resfriadinho’, é desrespeitosa com familiares das 46 pessoas que já morreram vítima da covid-19.

“E o presidente quando trata o que nós estamos enfrentando como uma gripezinha, ele também, na minha opinião, está desconsiderando a dor e o sofrimento das famílias que já perderam os seus entes por causa do vírus. Ele está desrespeitando as pessoas que estão nesse momento enfermas, reclusas e em isolamento. Ele está desconsiderando o sacrifício que todos nós estamos fazendo e o risco que todos nós estamos correndo no Brasil”, disse.

Compartilhar