Depois de evitar comentar nesta semana a especulação de que o deputado federal Onyx Lorenzoni (DEM) sairia do Ministério da Casa Civil, o prefeito ACM Neto disse, ontem, que foi pode ser “positiva” a mudança do parlamentar para o Ministério da Cidadania. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu pôr o general Walter Souza Braga Netto no antigo posto de Onyx. O militar é o segundo na hierarquia do Exército e sinalizou que aceita o cargo.

“(Falei com ele e desejei) sorte a ele na nova missão e me colocando a disposição. Acho que o governo precisa ampliar a sua atenção, o seu olhar para o Nordeste. Eu já vinha falando isso ao ministro Onyx, quando ele estava na Casa Civil. Talvez, essa seja uma oportunidade para que o governo faça mais pelo Nordeste. Inclusive, pela Bahia, com o ministro Onyx na pasta da Cidadania. Inclusive, ele me pediu e eu me disponibilizei a colocar técnicos à disposição, vamos discutir projetos. Vamos levar a realidade das áreas mais pobres do Brasil, que estão concentradas no Nordeste. Esse ministério pode ter papel muito importante para isso. Eu acho até que pode ser uma coisa muito positiva essa mudança do Onyx para Cidadania. Agora, é uma decisão do presidente e ponto final”, avaliou Neto, que é presidente nacional do DEM.

O prefeito soteropolitano afirmou, ainda, que vai se reunir com Onyx depois do Carnaval. “(Vamos) levar algumas ideias e coloquei minha equipe à disposição. Não para cargos. Queremos ajudar a discutir os problemas e procurar as soluções em conjunto”, acrescentou. De acordo com o jornal de Folha S. Paulo, Onyx estava com os dias contados desde o episódio em que seu número 2 na Casa Civil perdeu o cargo por fazer uso indevido de um avião da Força Aérea Brasileira, e vinha perdendo poder paulatinamente no governo. O deputado do DEM assume o Ministério da Cidadania, que era ocupado por Osmar Terra. Na avaliação do entorno palaciano de Bolsonaro, a pasta social não entregou nenhuma marca de relevo neste primeiro ano. Na meritocracia particular do governo, Onyx também passou em branco, mas, como é um apoiador de Bolsonaro desde os tempos em que raros políticos tinham coragem de fazer isso abertamente, o presidente crê que é merecedor de mais uma chance.

ACM Neto disse ainda que seu partido não pode entregar os cargos do governo do presidente Jair Bolsonaro porque, segundo ele, os ocupantes não foram indicados pela legenda. Ao jornal Folha de S. Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), afirmou que, por ele, “deve demitir todo mundo”. A declaração ocorreu após o ministro Luiz Eduardo Ramos (Governo) cobrar fidelidade dos que exigem do governo o cumprimento de promessas. Ramos apresentou a caciques o valor liberado para emendas e o número de cargos ocupados no governo.

“O DEM não tem cargos para entregar no governo. Os cargos todos são do presidente da República. O DEM não indicou nenhum cargo. Nós não indicamos o ministro Onyx. Não indicamos o ministro Mandetta. Não indicamos a ministra Tereza Cristina. Então, é uma decisão do presidente. Não tenho que entregar o que eu não tenho. Eu não tenho que entregar o que não possuo. Não tenho nada a ver com a composição do governo. Foi uma decisão do presidente da República”, declarou ACM Neto.

O prefeito se esquivou quando questionado sobre as constantes críticas de Maia ao governo Bolsonaro nas redes sociais. “Rodrigo Maia é deputado federal. É de maior e pelo que eu saiba é vacinado. Tem o direito de falar o que quer”, salientou.

Compartilhar