Por Henrique Brinco

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), defendeu ontem que o presidente Jair Bolsonaro precisa agir com a liderança que seja compatível com a posição que ele ocupa. O gestor soteropolitano defendeu, por outro lado, evitar “ao máximo fazer qualquer abordagem de natureza política no momento”. “Tenho dito que o momento é de responsabilidade de todos e cada um deve fazer a sua parte. A hora agora não é de colocar interrogações ou dúvidas sobre a autoridade de ninguém”, respondeu em coletiva de imprensa. “O presidente, no princípio, subestimou a gravidade da crise, mas espero que ele tenha já compreendido o que isso pode significar para o país e exerça a sua função. O seu papel que é insubstituível”.

Neto foi questionado pelos jornalistas sobre uma declaração dada em entrevista à Metrópole FM, quando disse que o presidente “não tinha postura”. Na ocasião, ele disse: “Infelizmente, e digo isso lamentando, o presidente não está tendo postura de exercer a liderança como deveria. Como a gente tem visto acontecer em outros países mundo afora, com crise no mundo inteiro, os líderes políticos devem assumir responsabilidade e dar exemplo. Não posso dizer para o cidadão fazer sua parte se não faço a minha”.

Indagado sobre a declaração, Neto minimizou. “Fui perguntando numa entrevista sobre as manifestações do domingo, quando ele foi ao lado da população e sobre declarações que ele tinha acabado de dar na terça-feira pela manhã, falando de uma certa histeria exagerada das pessoas e tal. Aí eu disse, com base nesses fatos, que eles eram incompatíveis com o exemplo que a liderança que o presidente da República precisa dar. Foi o que disse. A minha opinião é essa”. “Eu prefiro muito mais ver o presidente reunindo seus ministros, tomando providências para ativar a economia, que são essenciais e precisam partir do governo federal. Nós, como cidadãos, esperamos que ele exerça essa liderança. Não é meu desejo nem meu objetivo alimentar nesse momento qualquer tipo de especulação sobre críticas à postura de quem quer que seja. Eu prefiro muito mais trazer uma mensagem, que a hora agora é de união nacional, é de todos os políticos, todos os líderes darem as mãos, terem juízo. Estamos falando das vidas das pessoas”, completou.

Fonte: Tribuna da Bahia

Compartilhar