Ford Focus 2016: primeiras impressões

Para quem gosta de futebol, é quase unanimidade dizer que Pelé foi o maior jogador de todos os tempos. Para quem gosta de dirigir, o mesmo acontece com o Golf. A questão é que, ao contrário de Pelé, o Volkswagen não é o maioral no “campeonato” brasileiro de hatches médios.

fotoantesdepois_focus

O dono do posto é o Ford Focus, que acaba de ganhar a reestilização da terceira geração no Brasil, apresentada em Aquiraz (CE), região metropolitana de Fortaleza.

Para manter a liderança, a Ford aposta em uma pesada remodelação visual, revisão no conteúdo e oferta de versões e preços congelados, entre R$ 69,9 mil e R$ 95,9 mil.

Tudo isso para manter a ponta desta disputa, que terá o Golf nacionalizado, com motor 1.4 turbo e flex, e possivelmente uma opção 1.6 aspirada mais em conta, a Ford tratou de se reforçar, trazendo a reestilização europeia do Focus, apresentada em 2014. Com a iniciativa, a Ford acaba com o descompasso entre o Focus brasileiro, importado da argentina, e o europeu.

O maior foco, com o perdão do trocadilho, da reforma no Focus, está na dianteira. A grade, antes volumosa na porção inferior e dividida em três, dá lugar a uma única peça, em forma de hexágono, seguindo o padrão adotado em outros carros da marca.

Os faróis e as lanternas também acompanham a identidade global, e estão mais afilados. O capô ganhou volume com os novos vincos, e o interior ganhou materiais melhores.

O novo Focus, porém, só começa a ser vendido em agosto. Até lá, as últimas unidades da geração atual serão comercializadas. Como a diferença entre as duas é de apenas 15 meses, a marca preparou uma promoção para cativar os clientes, e mantê-los na marca.

Quem comprou o Focus hatch em 2014 e 2015 terá 15% de desconto na compra do carro novo. Para estes clientes, a pré-venda será aberta já em junho.

A Ford resolveu retirar de seu catálogo duas opções. A básica S 1.6, de R$ 69,9 mil, deu lugar à SE 1.6, pelo mesmo valor da S. Também deixa de ser oferecida a combinação de motor 1.6 com câmbio PowerShift. “O cliente que buscava câmbio automático exigia motor 2.0”, afirmou Oswaldo Ramos, gerente de marketing da Ford.

Na linha 2016, o Focus ganhou alguns equipamentos de tecnologia. Nas versões Titanium e Titanium Plus, há central multimídia Sync com tela sensível ao toque de 8 polegadas, com comandos do sistema de climatização, navegação e controles por voz, além dos já conhecidos Bluetooth e rádio.

Na opção Titanium Plus, de R$ 95,9 mil, também há o assistente de frenagem autônoma, que freia automaticamente o veículo em situações de colisão iminente em velocidades de até 50 km/h e para completamente o carro quando a velocidade é de até 20 km/h, e o sistema de estacionamento automático para vagas perpendiculares (veja vídeo acima).

Mesmo nas opções mais simples, o Focus é bem equipado. A de melhor custo/benefício é a SE Plus, oferecida com motorização 1.6 manual, por R$ 71,9 mil e 2.0 PowerShift, de R$ 78,9 mil. Ela traz, de série, ar-condicionado digital de duas zonas, airbags laterais, bancos de couro, sensores de luz, chuva e estacionamento traseiro, piloto automático e controles de tração e estabilidade.

Avaliamos as versões SE Plus 1.6 e Titanium Plus 2.0 do Focus, em trajetos somados de 65 km, respectivamente. Foram percorridos trechos urbanos e rodoviários, em pistas quase sempre de asfalto irregular.

Nesta reestilização, a engenharia da Ford trabalhou mais pesado na direção e na suspensão. Os dois componentes foram recalibrados, para oferecer ao condutor uma experiência dinâmica ainda melhor, lembrando que o Focus sempre foi conhecido pela condução refinada.

A direção, por exemplo, ficou mais macia em baixas velocidades, e ganhou precisão em altas. Já a suspensão, independente nas quatro rodas, e multilink na traseira, continua com acerto impecável, e, para tornar o conjunto ainda melhor, recebeu um reforço na longarina da torre do amortecedor traseiro.

Nesse ponto, Focus e Golf deixam qualquer hatch médio “comendo poeira”. O Volkswagen ainda se sai um pouco melhor em uma condução mais esportiva, por oferecer maior rigidez na suspensão. O Focus, apesar de também ser chegado em fazer curvas, deixa a carroceria rolar um pouco, mas compensa isso com uma melhor filtragem de irregularidades do solo.

Vai bem acima de 3.000 rpm

novofocus2016-titanium_12

Os motores não passaram por mudanças. Mesmo assim, continuam sendo opções modernas. O 1.6 Sigma gera até 135 cavalos, e possui duplo comando variável de válvulas, bloco, cabeçote e cárter de alumínio e sistema de partida a frio. O 2.0, de até 178 cv, além de tudo isso, também possui injeção direta de combustível.

Ambos empurram o Focus com competência. O 1.6 sofre um pouco mais, e só faz o carro “deslanchar” acima das 3.000 rpm, exatamente quando o torque está disponível de forma integral, quando o carro está abastecido com gasolina. O câmbio manual de 5 marchas tem engates curtos e precisos, tornando a condução mais divertida.

Com motor 2.0, o Focus ganha muito em desempenho. Os 43 cv extras dão um alívio ao hatch de quase 1.400 kg, e deixam a condução ainda mais prazerosa. As ultrapassagens ficam mais seguras, e o motorista se sente instigado a acelerar.

O câmbio PowerShift, automatizado de dupla embreagem, tem trocas rápidas, porém, em certos casos, demora um pouco para se decidir em manter ou passar uma marcha. Se o motorista preferir, pode trocá-las de forma manual, por meio de aletas atrás do volante.

A Ford diz ter se esforçado para melhorar o acabamento interno do Focus. Toda a porção superior do painel ganhou plástico emborrachado, agradável ao toque. Porém, outras superfícies ainda possuem incompatíveis com a categoria.

interior_ford_focus_03

O painel das portas é revestido quase integralmente por um plástico duro, assim como as luzes auxiliares do teto. Este, por sinal, possui um forro de tecido de visual e toque pobres. Alguns encaixes carecem de um pouco mais de precisão. O visual, entretanto, agrada. O volante possui desenho limpo e material agradável. Saídas de ar na vertical e mostradores dão um torque de modernidade ao hatch.

novofocus2016-titaniumplus-61

Mercado
Com 6.134 unidades vendidas até maio, o Focus é líder absoluto do segmento. Em seguida, Golf (4.571) e Cruze (4.544) brigam pela vice-liderança. Bem atrás, aparece o i30, com 1.395 carros emplacados. Os dados são da Fenabrave, a associação das concessionárias.

Após o Focus, a maior novidade do segmento será a nacionalização do Golf, no segundo semestre. Com a cidadania brasileira, o modelo deve incorporar a tecnologia flex no motor 1.4 turbo, assim como ganhar uma versão de entrada, com motor 1.6 aspirado.

Focus e Golf são referências em prazer ao dirigir, com pequena vantagem para o segundo, o Volks deixa muito a desejar no pacote de equipamentos, cobrando muito mais pelo mesmo conteúdo do Ford. Quando a comparação é com i30 e Cruze, a disputa é ainda mais desigual, já que ambos cobram mais e oferecem menos do que o Focus.

Se o Golf é o craque do time dos hatches médios, com técnica apurada, belos dribles e golaços, o Focus se destaca pela precisão de suas jogadas matadoras, capazes de vencer títulos e terminar campeonatos na ponta da tabela.

Compartilhar