O bilionário George Soros disse que vai investir US$ 1 bilhão para criar uma universidade global destinada a combater governos autoritários e mudanças climáticas, que segundo ele, são “desafios duplos que ameaçam a sobrevivência de nossa civilização”.

A “Open University University Network” oferecerá uma plataforma internacional para ensino e pesquisa, disse Soros na quinta-feira durante o Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

A universidade será lançada através de uma parceria da Universidade da Europa Central e do Bard College, apoiada por ele, de acordo com a Bloomberg.

“Como estratégia de longo prazo, nossa maior esperança reside no acesso a uma educação de qualidade, especificamente uma educação que reforce a autonomia do indivíduo, cultivando o pensamento crítico e enfatizando a liberdade acadêmica”, afirmou.

Em seu discurso e durante uma sessão de perguntas e respostas, Soros abordou uma ampla gama de questões, incluindo a economia “superaquecida” dos EUA, o domínio do Facebook e o domínio considerado por ele “autocrático”, de Xi Jinping, Narendra Modi, Jair Bolsonaro e Donald Trump, que ele chamou de “vigarista e o narcisista final”.

“Levando em conta a emergência climática e a agitação mundial, não é exagero dizer que 2020 e os próximos anos determinarão não apenas o destino de Xi e Trump, mas também o destino do mundo”, disse ele.

Soros também criticou o Facebook mais uma vez por não policiar a rede social.

“Não há nada para detê-los, e acho que existe um tipo de operação ou acordo informal de assistência mútua em desenvolvimento entre Trump e o Facebook”, disse Soros. “O Facebook trabalhará em conjunto para reeleger Trump e Trump trabalhará para proteger o Facebook.

Trump, disse ele, é responsável por superaquecer a economia. “Uma economia superaquecida não pode ser mantida fervendo por muito tempo”, disse ele.

Soros abordou esses temas nos discursos anteriores de Davos. No ano passado, o filantropo alertou sobre o “perigo mortal” do uso da inteligência artificial pela China para reprimir seus cidadãos sob a liderança de Xi, a quem ele chamou de o mais perigoso oponente das democracias.

Ele também disse que Facebook e Google precisam ser regulamentadas. No ano passado, ele os comparou a empresas de apostas que estimulam o vício entre os usuários e disse que eles exploram os dados que controlam.

Compartilhar