Bahia e torcida entram em rota de colisão na reta final da Série A

Com um primeiro turno excepcional na Série A do Brasileirão, o Bahia conseguiu em 2019, conquistar a sua torcida e voltou a ter grandes públicos na Arena Fonte Nova, a ponto de ter a sexta melhor média de público do campeonato com 26.405 torcedores por jogo. No entanto, a equipe comandada por Roger Machado caiu de produção e coleciona críticas dos seus fãs, como aconteceu na partida de ontem, 27, contra o Atlético-MG, em que o Esquadrão saiu vaiado de campo após mais uma partida sem vencer.

O empate em 1 a 1 contra a equipe mineira na Arena Fonte Nova, nem de longe foi das piores partidas do Bahia no Brasileirão. O Tricolor foi superior ao adversário em parte da primeira etapa e em todo o segundo tempo. Mesmo com uma partida “aceitável”, o resultado negativo aumentou a sequência negativa da equipe baiana, que chega a sua nona partida sem saber o que é vencer na Série A.

Os pouco mais de 12 mil torcedores presentes na Arena Fonte Nova no duelo contra o Galo não esperaram nem o término do primeiro tempo para se manifestarem. Uma torcida organizada puxava vaias e gritos de “pipoqueiros” para os jogadores, enquanto uma outra parcela da torcida tentava incentivar. Segundo relatos de torcedores presentes no estádio, a mesma organizada teria aplaudido o gol do Atlético.

Os torcedores protestam pelo que julgam ser “corpo mole” do elenco, que após passar parte da competição brigando por uma vaga na Libertadores, caiu vertiginosamente de produção e venceu apenas uma última partida das últimas treze que disputou (contra o Grêmio, ainda pela 26° rodada). Além disso, os comandados de Roger não sabem o que é vencer em casa desde o dia 25 de setembro, quando derrotou o Bortfogo por 2 a 0.

Em entrevista após a partida, o atacante Fernandão, vice-artilheiro do clube na temporada e contratado por R$ 4,5 milhões no início do ano, comentou as vaias de parte da torcida na partida contra o Atlético e parabenizou o clube pelo que julgou como conquistas da temporada.

“Mesmo a torcida vaiando, a gente teve a tranquilidade de continuar com a bola. Porque, se for na ansiedade do torcedor, é uma bosta. Mas a gente manteve a tranquilidade e jogou. A gente não está conseguindo segurar o resultado. Umas falhas bobas. São nove jogos sem ganhar, mas fizemos um puta de um campeonato. O Bahia está de parabéns, os jogadores, comissão. Não estamos brigando por rebaixamento. Brigamos pela Libertadores. Pode não ser esse ano, mas pode ser no próximo ano. Vamos manter a cabeça tranquila e terminar da melhor forma, para, quem sabe no próximo ano, conseguir o objetivo que a gente quer”, disse o atacante.

A declaração do centroavante pegou mal e recebeu críticas de torcedores nas redes sociais, alguns até cobraram o jogador em seu perfil no Instagram. Devido a isso, Fernandão voltou a se pronunciar nesta quinta-feira, 28. “É só interpretar. O tempo todo o Bahia brigou por Libertadores, não foi por rebaixamento. Por isso eu parabenizo todos os jogadores, comissão e diretoria”.

Quem também comentou a reação da torcida foi o técnico Roger Machado.

“O torcedor tem 100% de direto de cobrar, sem dúvida. Não vou entrar no mérito da cobrança, até porque talvez, se eu estivesse no lugar do torcedor, com muitos jogos sem vencer e tendo, anteriormente, gerado uma expectativa muito grande, o que estamos vivendo hoje é resultado de expectativa gerada pelo grupo. Protesto é natural, normal do futebol. O que tenho que louvar e poucas vezes vi na minha carreira como jogador e treinador, justamente que a parte maior do estádio que não estava de acordo com manifestações apoiar. Sem dúvida, vou levar para a vida toda”, afirmou Roger em entrevista coletiva.

Com o péssimo segundo turno, o Bahia ocupa a 10° posição da Série A com 45 pontos, podendo ser ultrapassado por Vasco e Fortaleza ainda nesta rodada. Restando três jogos a disputar (CSA, Vasco e Fortaleza), o Tricolor terá que voltar a vencer se quiser garantir uma vaga entre os dez primeiros.

Compartilhar