Vitória recebe o Londrina em partida decisiva contra a queda

Leão pode ampliar a distância para o Z4, que hoje é de três pontos

Jogadores e técnicos podem até ter aquele discurso padrão de que toda partida na Série B é uma final, mas poucos jogos merecem tanto um status desses como o desta sexta-feira (17), às 21h30, no Barradão.

O rubro-negro enfrentará o Londrina, adversário direto na briga contra a zona de rebaixamento. O time do Paraná é o 16º colocado, com 32 pontos, enquanto o Leão é o 15º, com 33.

O Vitória entra em campo sem pressão. A diferença para o Z4 é de três pontos, e mesmo que o Vila Nova, 17º colocado, vença, não conseguirá passar o Leão no número de triunfos – hoje, são oito contra seis.

Ganhar do Londrina significa muito para o rubro-negro. Primeiro, pela chance de abrir mais pontos ou no mínimo manter essa margem de segurança para o Z4.

Segundo, por abrir quatro pontos para a própria equipe paranaense. Terceiro, porque a rodada pode colocar ainda mais equipes na briga contra o rebaixamento, com o Leão em posição privilegiada.

O Oeste, 14º colocado com 35 pontos, recebe no sábado o América-MG, time que briga pelo acesso. Em caso de derrota da equipe paulista e do triunfo do Vitória, seria mais uma equipe ultrapassada.

Diante de todos esses indícios, cabe sim tratar a partida como uma final. “Desde o jogo do Oeste, a gente tem encarado todo jogo como uma final. Já passou da metade do campeonato, então precisamos tratar cada partida desse jeito”, disse Thiago Carleto.

“Tenho conversado com os meus companheiros: não importa a situação do adversário, o importante é a nossa maneira de tratar cada jogo como uma final. Precisamos do torcedor do nosso lado, pedimos que ele venha. Dentro de campo não vai ter cansaço, não vai ter nada. Vai ter um time que vai brigar por cada centímetro de campo”, completou o lateral.

Mais maduro
Contratado há 15 dias, Thiago Carleto ganhou espaço rapidamente na equipe titular. Mostrando nível técnico acima da média para a Série B, sobretudo nas cobranças de falta, o lateral-esquerdo tornou-se uma arma ofensiva do rubro-negro.

Com sua contribuição, o time tem vivido um momento de alta na competição. O jogador de 30 anos reconhece: “Nessa reta final a angústia aumenta, o desespero também. Esse tem sido o fator principal para o Vitória: não tenho visto desespero, ansiedade, gente fazendo cálculos. Estamos mirando nos próximos três pontos. Não dá para pensar diferente”.

“Depois de tudo o que passou, achamos um ponto de equilíbrio para não ter ansiedade e nem se desesperar. A gente não sabe o que vai acontecer daqui para a frente, mas temos que pensar jogo a jogo. Contra o Londrina temos uma chance grande de ganhar três pontos e vislumbrar algo, de se livrar logo da zona. A equipe não está se abatendo e há quatro jogos tem mostrado regularidade”, completou Carleto.

O lateral-esquerdo estreou contra o Oeste, no dia 8 de outubro, e o Vitória ganhou por 3×1 no Barradão. Depois, bateu o Cuiabá por 3×1 e empatou em 1×1 com o Criciúma, ambos fora de casa. Portanto, está invicto.

Carleto ainda descolou dois passes para gol, ambos contra o Cuiabá. Foi ele quem cobrou a falta para Everton Sena cabecear no gol de empate e ligou Caicedo para garantir o placar no contra-ataque.

“A gente tem um objetivo: lutar. Estou aqui com a cabeça focada. Claro, não vou dizer que a gente vai brigar para subir e muito menos brigar para não cair. Estou aqui para dizer que, no próximo jogo, vou entrar com minha alma”, finalizou o lateral.

Com os desfalques dos volantes Lucas Cândido e Baraka, o Vitória deve entrar em campo com Martín Rodríguez; Van, Everton Sena, Ramon e Thiago Carleto; Léo Gomes, Romisson e Felipe Gedoz; Felipe Garcia, Jordy Caicedo e Wesley.

Compartilhar