joao santana lula e dilma

O marqueteiro João Santana afirmou nesta segunda-feira (22) que as acusações contra ele são “infundadas” mas que não está surpreso com o mandado de prisão temporária expedido contra ele na 23ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta segunda. Segundo o publicitário que comandou as campanhas presidenciais do PT desde 2006, o Brasil vive “um clima de perseguição”.

Em carta endereçada ao Partido de la Liberación Dominicana, Santana pediu para ser desligado “com caráter imediato” da campanha à reeleição de Danilo Medina à Presidência da República Dominicana. Santana e sua mulher,Mônica Moura –que também teve prisão temporária decretada–, estão no país desde janeiro para cuidar da campanha de Medina, mas embarcam devolta ao Brasil ainda nesta segunda para se apresentarem à Polícia Federal.

“Me dirijo a vocês, porque, como ficaram sabendo também pelos meios de comunicação, acordei esta manhâ com a notícia de que meu nome está sendo ligado a uma suposta trama relacionada com o financiamento de campanhas políticas no Brasil”, inicia o marqueteiro. “Conhecendo o clima de perseguição que se vive hoje em dia no meu país, não posso dizer que me pegou completamente de surpresa, mas ainda sim é difícil acreditar”, completa.

Santana diz que sua volta ao Brasil vai lhe permitir se “defender das acusações infundadas” e que se colocou à disposição das autoridades brasileiras desde a semana passada “para esclarecer qualquer especulação”.

“Facilitarei todas as informações necessárias para imprimir a verdade dos fatos, além de qualquer dúvida”, diz o marqueteiro no texto.

CONFIRA A ÍNTEGRA DA CARTA:

“Ao Comitê de Campanha Nacional PLD:

Me dirijo a vocês, porque, como ficaram sabendo também pelos meios de comunicação, acordei esta manhã com a notícia de que meu nome está sendo ligado a uma suposta trama relacionada com o financiamento de campanhas políticas no Brasil. Conhecendo o clima de perseguição que existe hoje no meu país, não posso dizer que me pegou completamente de surpresa, mas ainda é difícil acreditar. Dadas as circunstâncias, peço a este Comitê de Campanha, para me desligar em caráter imediato da campanha em curso na República Dominicana. Isto vai me permitir ir ao Brasil para me defender das acusações infundadas que estou sofrendo. Vale ressaltar que desde a semana passada eu me coloquei à disposição das autoridades brasileiras para esclarecer qualquer especulação e que facilitarei todas as informações necessárias para imprimir a verdade dos fatos, além de qualquer dúvida. Eu também acredito que esta é a melhor decisão para não afetar de forma alguma os interesses do PLD nesta eleição. Agradeço a confiança em meu trabalho e tenho certeza de que as próximas eleições ratificarão a vitória do presidente e candidato Danilo Medina e do PLD, para o bem do povo dominicano. Sem mais delongas, me despeço, João Santana”

OPERAÇÃO “ACARAJÉ”

A 23ª fase da Operação Lava Jato, intitulada “Acarajé”, tem como alvo o publicitário João Santana, que encabeçou campanhas presidenciais petistas, e a empreiteira Odebrecht.

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal encontraram transferências de US$ 7,5 milhões (R$ 30 milhões, em valores desta segunda) de investigados da Lava Jato para a conta da offshore Shellbill Finance S.A., controlada pelo marqueteiro João Santana e pela mulher e sócia dele, Mônica Moura. A offshore, baseada no Panamá, não foi declarada às autoridades brasileiras.

Deste montante, US$ 3 milhões foram pagos ao marqueteiro por meio das contas das offshores Klienfeld e Innovation Services, que são atribuídas pelos investigadores à Odebrecht, entre 13 de abril de 2012 e 08 de março de 2013. Para a Procuradoria, “pesam indicativos de que consiste em propina oriunda da Petrobras transferida aos publicitários em benefício do PT”.

Compartilhar