Bomboniere e loja de produtos de limpeza são arrombadas e saqueadas no bairro de Tancredo Neves

Ataques aconteceram na noite desta quarta-feira (9). Grupo também tentou arrombar loja de calçados, outra de perfumes e um mercado, mas fugiram com chegada da polícia.

Uma bomboniere e uma loja de produtos de limpeza foram arrombadas e saqueadas, na noite desta quarta-feira (9), no bairro de Tancredo Neves, em Salvador. Conforme a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), os autores dos crimes não foram presos.

De acordo com o órgão, os ataques aconteceram por volta das 20h. O grupo também tentou arrombar uma loja de calçados, outra de perfumes e um mercado, mas fugiram com a chegada da polícia.

Também no bairro de Tancredo Neves, uma viatura da PM foi alvejada por tiros. Os pneus do veículo e o para-brisa foram atingidos pelos disparos durante uma troca de tiros entre grupos criminosos rivais que atuam na região. Nenhum policial ficou ferido. Não há informações se algum suspeito foi baleado.

Ainda na noite desta quarta, de acordo com a SSP, dois homens, que estavam em uma moto, invadiram um ônibus na Avenida Paralela, no sentido aeroporto, atravessaram o veículo na pista e fugiram. Nada foi roubado e ninguém ficou ferido.

Bomboniere foi arrombada e saqueada no bairro de Tancredo Neves, em Salvador — Foto: Arquivo Pessoal

Bomboniere foi arrombada e saqueada no bairro de Tancredo Neves, em Salvador — Foto: Arquivo Pessoal

A SSP informou que os casos serão investigados pela Polícia Civil junto com os ataques criminosos que estavam sendo analisados após o anúncio de paralisação de um grupo de policiais militares.

Nas primeiras 24 horas após o início da paralisação, a SSP registrou sete homicídios em Salvador e mais três na região metropolitana. Nos primeiros seis dias de outubro, o maior número de assassinatos ocorreu no dia 1º, com seis ocorrências. Na última quarta-feira (2), foram registrados três casos.

De acordo com a SSP, indícios apontam que as ações foram feitas por pessoas ligadas à Associação dos Policiais Militares e Seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), que convocou a paralisação dos PMs. Ainda de acordo com a secretaria, os ataques foram coordenados para gerar sensação de insegurança na capital e no interior do estado.

Loja de produtos limpezas foi arrombada no bairro de Tancredo Neves, em Salvador — Foto: Arquivo Pessoal

Loja de produtos limpezas foi arrombada no bairro de Tancredo Neves, em Salvador — Foto: Arquivo Pessoal

Polícia investiga se ataques em Salvador tem relação com PMs que anunciaram greve

Ao menos dez lojas e agências bancárias foram alvos de vandalismo e tentativas de furto, e dois ônibus foram alvos de tiros, na capital baiana na noite de terça-feira (8). Os crimes ocorreram em diversos pontos da cidade.

No bairro de Cosme de Farias, duas lojas foram invadidas e 31 homens e mulheres foram presos tentando furtar os estabelecimentos. Todos foram apresentados na Central de Flagrantes, onde foram autuados por tentativa de furto.

O ataque aos ônibus do transporte coletivo aconteceu no final de linha do bairro de Mussurunga, na noite de terça. Os veículos estavam vazios no momento do ocorrido e foram levados para o Instituto Médico Legal (IML).

No bairro de Cajazeiras VIII, uma loja de eletrodomésticos teve a porta arrombada e, segundo funcionários, duas televisões e um aparelho de som foram furtados. Em Cajazeiras X, a poucos metros do estabelecimento, duas agências bancárias foram depredadas. Nessas ocorrências os suspeitos fugiram.

Outras duas lojas de roupas foram invadidas por criminosos no bairro da Liberdade. No Caminho de Areia, uma agência bancária teve os vidros quebrados. O mesmo ocorreu em outras duas agências: uma no bairro da Calçada e uma na Avenida Barros Reis. Nesses casos, também não houve prisões.

Decisão da paralisação

Na terça-feira, a Associação dos Policiais Militares e Seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra) informou que policiais decidiram, durante assembleia, fazer uma paralisação por tempo indeterminado, para cobrar reivindicações como melhorias nos planos de saúde e de carreira.

O governo da Bahia e a Polícia Militar, no entanto, negam a paralisação dos policiais militares no estado e destacaram que o ato é isolado. Eles ainda informaram que o policiamento foi reforçado para combater possíveis ações criminosas cometidas por conta da disseminação da paralisação.

Contudo, com o anúncio, algumas lojas ficaram fechadas nesta quarta-feira e metade das escolas da rede municipal de ensino teve as aulas suspensas. Entre elas a Escola Municipal de Castelo Branco, no bairro de Castelo Branco, e a Escola Municipal Francisco Leite, em Águas Claras.

Compartilhar