ACM Neto rejeita apoio de Bolsonaro para eleição de 2020

Para o democrata, o pleito é municipal e deve ser “tratado exclusivamente pelos atores municipais”

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), disse, ontem, que não quer o apoio do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para eleger o seu sucessor na eleição do próximo ano. Para o democrata, o pleito é municipal e deve ser “tratado exclusivamente pelos atores municipais”. “Eleição municipal é municipal. Em 2008, 2012, 2016, em momento nenhum eu nacionalizei a campanha. Pelo contrário, em 2012, eu me elegi dizendo que Salvador tinha que escolher um prefeito e não um presidente. Naquela época, tinha o discurso de que o prefeito tinha que ser do mesmo partido do governador e do presidente. Chance zero (de querer apoio do presidente). Eu não quero nenhuma participação de nenhuma liderança nacional na eleição municipal. Não é a do presidente não para não ficar parecendo que é contra o presidente. (Não quero o apoio) nem dele nem de ninguém. A eleição é municipal e vai ser tratada exclusivamente pelos atores municipais”, afirmou o prefeito.

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas divulgado no final de agosto mostrou que 36,8% dos eleitores de Salvador ficam desestimulados a votar em um candidato apoiado por Bolsonaro. Já 40,8%, disseram que o aval do presidente não interferiria na vontade de votar, e 18,6% dos eleitores declararam que apoiariam o candidato de Bolsonaro.

ACM Neto também comentou ontem a pesquisa Datafolha que aponta queda de popularidade do chefe do Palácio do Planalto. Para ele, a população tem mandado um recado o presidente.  “Essa pergunta tem que ser feita a ele e não para mim. (…) Acho que, de certa forma, não deixa de ser um recado para o governo. A gente está vendo uma queda de popularidade relativamente rápida. Espero que possa ser revertida. Espero que o governo volte a ter uma tendência de readquirir a confiança das pessoas. Agora, cabe ao governo e ao presidente da República considerar isso ou não. Particularmente, eu faço minhas pesquisas de avaliação administrativa para sempre ver como estão as coisas, para ver o que a gente pode melhorar. Mas cada um tem uma forma de ver. Agora, comentar eu não vou porque não comento as (pesquisas) daqui e muito menos as de lá”, pontuou.

A pesquisa Datafolha aponta a erosão da popularidade de Bolsonaro em pouco menos de dois meses.  A reprovação do presidente subiu de 33% para 38% em relação ao levantamento anterior do instituto, feito no início de julho, e diversos indicadores apontam uma deterioração de sua imagem. Já aprovação de Bolsonaro caiu, dentro do limite da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos, de 33% em julho para 29% agora. A avaliação do governo como regular ficou estável, passando de 31% para 30%.

O prefeito ACM Neto ainda voltou a negar a possibilidade de uma fusão do seu partido com o PSDB ou/ PSD. “Não. Essa decisão é inteiramente descartável. Não há nenhuma variável que possa ser considerada. Isso está descartado. Estou trabalhando e muito para fortalecer o partido. Sábado agora estive na Paraíba e no Piauí para filiar prefeitos, lideranças importantes. Esse é o nosso caminho e a nossa linha de trabalho. O Democratas entende que hoje tem um tamanho que é maior do que, inclusive, o PSDB e PSD sem nenhum demérito aos outros dois partidos. Mas não cogitamos, neste momento, qualquer tipo de fusão de partido”, declarou.

Compartilhar