Otto Alencar sugere que deputados do PSD-BA devem votar contra Previdência

Na primeira etapa da votação, os parlamentares votaram a favor após um acordo com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para liberar recursos para o estado

Presidente do PSD na Bahia, o senador Otto Alencar sugeriu, ontem, que os cinco deputados federais do seu partido (Antônio Brito, Charles Fernandes, José Nunes, Paulo Magalhães e Otto Alencar Filho) devem votar contra a reforma da Previdência no segundo turno. Na primeira etapa da votação, os parlamentares votaram a favor após um acordo com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para liberar recursos para o estado. Só que, segundo Otto, a promessa não foi cumprida.

Um dos acordos firmado era a aprovação da cessão onerosa antes do recesso parlamentar. Se a medida fosse aprovada, segundo o senador, a Bahia receberia R$ 450 milhões. “Nossa posição ia ser votar contra, porque o regime geral da Previdência eu discordo muito”, frisou Otto após reunião dos governadores do Nordeste. De acordo com o senador, o pacto foi firmado com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, Rodrigo Maia e David Alcolumbre, respectivamente, do DEM, e o ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Estou muito cético em relação ao governo federal de mobilizar suas bancadas para aprovar isto diante dos últimos fatos que aconteceram. O presidente anda marcando os governadores do Nordeste porque tem discordância política”, avaliou Otto, ao condenar o ataque de Bolsonaro aos nordestinos. O presidente chamou os governadores da região de “paraíbas”. “O grande problema é discriminar os estados. É dizer: não vou passar nada para esses caras porque pensam diferente de mim. Essa situação do Nordeste é difícil por isso. Sou muito cético com relação à boa vontade do governo federal aos estados do Nordeste”, ressaltou.

Depois de os deputados do PSD votarem a favor da reforma da Previdência, Otto criticou parlamentares do PT, PSB e PCdoB que se manifestaram contra a proposta. “É uma grande incoerência. Os estaduais votaram aqui a favor e os federais votaram contra lá. O que se pensa sobre a reforma da Previdência é diferente lá? Esse é um discurso que não cola. Não é coerente aprovar alterações previdenciárias aqui e lá fazer discurso diferente”, disse na época. Ontem, após encontro com os governadores, Otto fez questão de elogiar ainda o Consórcio do Nordeste. “Creio que o consórcio está bem consolidado. E vai ser muito importante para aquisição de insumos. Vai envolver também a questão da Previdência”, salientou.

Compartilhar