Hacker preso pela PF confirmou que material divulgado pelo Intercept é fruto do ataque cibernético

O líder do grupo de hackers preso ontem (23), Walter Delgatti Neto, confirmou à Polícia Federal ter sido responsável pela invasão dos celulares de Sergio Moro, Deltan Dallagnol e outras centenas de autoridades dos três poderes.

Delgatti está colaborando com as investigações, segundo as informações do jornalista Cláudio Dantas, do Antagonista.

Ainda de acordo com o site, Delgatti permitiu que a PF tivesse acesso a todos os seus arquivos armazenados em nuvem e confirmou aos investigadores que o material divulgado pelo Intercept é fruto do ataque cibernético.

Segundo Delgatti, houve casos apenas de invasões a celulares, outros de roubo de dados e ainda de sequestro da linha para simular conversas com terceiros.

Quem é Walter Delgatti Neto

Algumas informações relevantes sobre o líder do grupo de hackers que está sendo investigado: Walter Delgatti Neto é filiado ao DEM, entrou no Twitter em 27 de maio, dias antes da primeira matéria do The Intercept com informações vazadas de Moro. Há várias postagens relacionadas ao Intercept, além de posts pedindo ‘Lula livre’ e críticas à Lava Jato, ao governo Bolsonaro e ataques ao site O Antagonista.

Além disso, Delgatti mantém fixado um tuíte com discurso recente de Gilmar Mendes contra a criação do fundo privado com recursos recuperados da Petrobras, onde o ministro disse que a “fundação de Deltan Dallagnol era um fundo eleitoral”. “Gente desqualificada, gentalha, não tem condições de integrar o Ministério Público.”

O último post de Delgatti é sobre o ataque ao ministro Paulo Guedes. Ao dar RT numa matéria do site Brasil247, ele escreveu: “Aí vem coisa hein kkk.”

Compartilhar