Frente fria vinda do Sul provocou chuva em Salvador

Fenômeno trouxe, ainda, ventos fortes

Não deu outra: o tempo para que o professor de Enfermagem Maurício Alves, 48 anos, chegasse ao trabalho dobrou. Nesta quinta-feira (6), demorou uma hora para que conseguisse ir da Boca do Rio a Nazaré – normalmente, não leva mais do que 30 minutos. A chuva era tanta que atrapalhou o trânsito e as chegadas dos ônibus.

O toró, que começou a cair na quarta-feira (5) e continuou nesta quinta-feira (6), em Salvador, deve se estender até o início da próxima semana. A mudança no tempo foi provocada por uma frente fria que passou pelo litoral da Região Sudeste e chegou até o sul da Bahia.

” A ventania não deixa nenhum guarda-chuva inteiro, a frente fria veio do nada. De repente o tempo mudou. Em salvador sempre achamos que todos os dias fará sol. Agora, quando a chuva veio, veio de vez”, comentou Maurício.

De acordo com a meteorologista Cláudia Valéria, do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a frente fria, como qualquer outra, traz também um sistema de alta pressão que direciona as nuvens deixadas pela passagem da primeira pelo litoral.

“É isso que está provocando essa chuva em Salvador, na Região Metropolitana e no Recôncavo desde ontem, associada a rajadas de vento, que são comuns”, explica Cláudia.

A circulação de ventos da baixa atmosfera até a alta atmosfera deixou o ambiente favorável à chuva, devido à passagem da frente fria, como explica o meteorologista do Climatempo, Felipe Pungirum. “Não há nada de diferente nesse fenômeno. Essas frentes frias que vão para áreas do Nordeste são mais raras, mas nada diferente”, pondera.

Essa frente fria trouxe, ainda, uma forte ressaca. Todas as frentes frias são formadas no mar, como explica o oceanógrafo Bruno Baldi, CEO da empresa i4sea, que desenvolveu uma ferramenta que consegue prever condições de mar e tempo.

“A gente até fala que Salvador não tem frente fria, porque elas são formadas muito longe, em regiões do sul do país”, afirma Baldi.

De fato, esse tipo de situação é comum nesta época do ano. O período mais chuvoso, em Salvador, compreende os meses de abril a julho. “Então, é natural que a gente tenha mais eventos de tempo forte, ondas grandes e tempo ruim, principalmente entre junho e julho”, completa o oceanógrafo.

A temperatura mínima registrada nesta quinta foi de 22°C, enquanto a máxima prevista para o dia é de 28°C. Segundo a Defesa Civil de Salvador (Codesal), os ventos devem chegar a 26 km/h e há riscos de alagamentos e deslizamentos de terra até sábado.

De acordo com o Climatempo, a previsão de chuva vai até terça-feira (11). Desta quinta até segunda, a probabilidade de chuva diária é de 80%. No domingo e na sexta-feira, que tem os maiores percentuais previstos, o índice chega a 90%.

“Os próximos dias vão ser todos de tempo nublado, intercalando com algumas aberturas de sol. Ainda vai continuar chovendo, mas o pior da chuva foi para ontem (quarta) e hoje (quinta). O risco de chuva mais forte agora vai para o estado vizinho, Sergipe”, explica o meteorologista do Climatempo, Felipe Pingirum.

Compartilhar