Cratera se abre em canteiro central de Ondina; um coqueiro caiu

A rajada de vento chegou a 49km/h em Ondina

Uma parte do chão do canteiro central da Avenida Adhemar de Barros cedeu na manhã desta quinta-feira (6). O trecho fica próximo ao monumento As Meninas do Brasil, conhecido como “Gordinhas de Ondina”.

Com o deslizamento do solo, um coqueiro caiu. A planta, incluindo a raiz, ficou atravessada no canteiro, e por isso, não afetou o trânsito na via. A rajada de vento chegou a 49km/h em Ondina, segundo informações da TV Bahia.

(Foto: Mauro Akin Nassor)

Uma equipe da Defesa Civil (Codesal) esteve no local para isolar a área. Não há informações ainda sobre a remoção da árvore e quais medidas adotadas para tapar o buraco.

Taxista há cinco anos na Ondina, Adailton Jesus, 47 anos, afirma que o incidente já era esperado. Para ele, era questão de tempo, pois não é a primeira vez que uma cratera surge no alocam por conta das chuvas.

“Embaixo desse canteiro passa um rio, porém, ele foi canalizado. Mas tem alguns dias que um buraco pequeno se formou no pé do coqueiro, estava esperando só a chuva chegar para ceder. Acredito que tenha sido a força da água nos canos que fez o buraco aparecer. Salvador é assim, um dia faz sol, no outro, chuva”, diz o taxista, que não se precaveu da chuva por não confiar no tempo de Salvador que para ele é imprescindível.

“A cerca da cratera em Ondina, nosso engenheiro já esteve no local e realizou a vistoria, isolou a área e já foi encaminhado para as secretarias de que serão responsáveis, seja a Seman ou a Sucop ou a Embasa para identificar qual o problema que ocorreu e sanar a situação e voltar a normalidade”, afirmou Macedo.

Por volta das 8h equipes da Embasa chegaram a Ondina para fazer vistoria no local
Foto: Eduardo Dias

Árvore caída
Mais cedo, uma árvore caiu na Avenida Centenário e atingiu a fiação da via. Técnicos da Codesal e da Coelba foram até o local para resolver a situação. As partes da planta que caíram foram cortadas e deixadas à margem da via.

Até o momento, a Defesa Civil registrou 30 ocorrências em Salvador.

(Foto: Divulgação)

Chuvas
Segundo dados do Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil, os bairros que tiveram maior acumulado de chuvas em seis horas foram Cosme de Farias, Centro, Campinas de Pirajá, Alto do Peru e Mirantes de Periperi.

A previsão para esta quinta é de chuvas,  com intensidade de moderada a forte, caiam durante o dia, com períodos de melhoria, segundo a Codesal. Ou seja, pode até sair um solzinho, mas é bom não abrir mão do guarda-chuva. A startup baiana i4sea, que atua em conjunto com o 3º Distrito Naval da Marinha do Brasil, já havia informado sobre a ocorrência de ventos de aproximadamente 20 nós (40 km/h), além de pancadas de chuva e ondas de até 3 metros.

De acordo com o diretor da Defesa Civil de Salvador (Codesal), Sosthenes Macêdo, em alguns bairros de Salvador choveu cerca de 100 milímetros nas últimas 12h. A previsão para o mês de junho é de 247,7 mm. Da meia noite de quarta-feira até a manhã desta quinta já foram contabilizados 38 solicitações feitas pela população através do número 199.

Três delas são de alagamentos de imóveis, 10 ameaças de desabamento, uma árvore ameaçando cair e cinco caídas, uma avaliação de imóvel alagado, uma avaliação de desabamento de imóvel, uma vistoria para desabamento parcial, cinco solicitações de vistoria de deslizamento de terra, cinco solicitações de vistorias para solicitações técnicas, uma vistoria para poste ameaçando cair e cinco solicitações por destelhamento, por conta dos fortes ventos de 38 km/h às 15h de ontem e chegando a contabilizar, na sequência, rajadas de mais de 50 km/h.

Compartilhar