Mortes de condutores no trânsito de Salvador reduzem 68%

Dados foram apresentados nesta segunda-feira (3) pelo prefeito ACM Neto (DEM)

O número de mortes no trânsto de Salvador reduziu 5,8% no ano passado em relação a 2017, segundo dados da Transalvador. No total, foram 114 em 2018 contra 121 em 2017. A queda mais expressiva no volume de vítimas foi de condutores, cuja diminuição foi de 68% (seis em 2018 contra 19 em 2017).

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (3) pelo prefeito ACM Neto e pelo superintendente do órgão de trânsito, Fabrizzio Müller, em coletiva no Palácio Thomé de Souza na qual também foram anunciadas novidades sobre a cobrança da Zona Azul.

Enquanto houve redução no número de mortes de condutores, houve aumento em relação a pedestres (3,7%, sendo 54 contra 56) e motociclistas (14,7%, sendo 34 contra 39). “O número que mais nos preocupa hoje é o índice de acidentes envolvendo motociclistas. Muitos exercem atividades remuneradas, o que tem contribuído para essas estatísticas, sendo este um fenômeno em todo o país e na América Latina”, disse Muller.

De 2013 a 2018,  a Transalvador tem aliado campanhas educativas com intensificação da fiscalização, o que já gera mudanças no comportamento dos motoristas de Salvador. E isso tem ocorrido com a redução de multas.

Nos quatro primeiros meses de 2019, por exemplo, houve uma queda de 38% no número de notificações por excesso de velocidade em Salvador, quando comparado ao mesmo período do ano passado – 97.019 contra 157.428.  E esse tipo de infração é a que está mais associada a acidentes ao volante.

“Hoje, percebemos uma redução significativa do número de multas, mesmo continuando com o mesmo número de radares. Ou seja, houve uma mudança de comportamental do motorista. E está claro que não há indústria de multas na cidade, como dizem alguns maldosamente. Os números estão aí para mostrar. Fomos premiados e Salvador já foi, inclusive, tema de reportagens nacionais e internacionais sobre esses resultados”, destacou ACM Neto.

Cenário internacional
A redução do número de vítimas fatais foi de 53,8% quando se compara 2018 com 2012. Ou seja, o trabalho feito pela Transalvador na gestão do prefeito ACM Neto tem sido fundamental, o que já foi alvo de documentários e publicações internacionais, como ressaltou o prefeito.

A ONU, por exemplo, estipulou como percentual ideal para as grandes metrópoles do mundo uma queda de 50% do número de vítimas fatais em acidentes de trânsito nesta década. Ou seja, Salvador superou essa meta antes do prazo previsto, já que, se contabilizado de 2010 a 2018, esse percentual alcança a redução de 57,1%.

Balanço 
De 2013 a 2018, a Transalvador promoveu 24 campanhas educativas. Além disso, desenvolveu ações que levam a educação para o trânsito para as escolas, através do programa Crianças Condutoras do Futuro, que visitou 438 unidades de ensino, atingindo um público de 33.350 alunos.

No quesito fiscalização, nesse mesmo período foram abordados 283 mil condutores em blitz da Lei Seca, com 37 mil autuações. Além disso, o órgão de Trânsito melhorou a sinalização horizontal e vertical da cidade, investiu em tecnologia (a exemplo dos semáforos inteligentes) e promoveu intervenções para aprimorar o fluxo viário na cidade, com 38 obras e R$57,2 milhões em investimentos.

Compartilhar