Nelson Leal diz que teme pelo futuro do Brasil com ataques à educação

“O MEC mata a educação básica, inviabiliza as universidades, nega oportunidades e fere de morte os hospitais universitários”, destaca presidente da Alba.

“Estou muito preocupado com o futuro do país. Nenhum governo deve contingenciar recursos da educação, qualquer que seja o nível do ensino”. O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), deputado Nelson Leal (PP), voltou a criticar, na manhã desta quinta-feira (9), as medidas do Ministério da Educação (MEC) que promovem um corte linear de 30% nas verbas de todas as universidades federais públicas do país.

Chefe do Legislativo estadual, em entrevista à imprensa, foi enfático ao afirmar que o país somente reduzirá as desigualdades sociais e a pobreza, quando investir pesado em educação pública, em todos os níveis.

“Sem ensino público de qualidade não há igualdade. Nós só conseguiremos mudar o Brasil, torná-lo mais justo e igual, quando melhorarmos muito a educação pública em todos os rincões do país, seja nos ensinos Fundamental, Médio e Superior. Quem transforma uma sociedade é a educação”, enfatizou, o parlamentar.

Nelson Leal contestou a narrativa do governo federal de que os cortes no ensino público do 3º grau se devem à elevação do investimento na educação básica. “O discurso oficial não corresponde à verdade. Foi justamente a educação básica a mais sacrificada com as medidas, com bloqueio de 39,68% do orçamento inicialmente previsto. Essa postura do governo causa insegurança e apreensão na sociedade”, esclareceu, o parlamentar pepista.

Leal explicou que a lâmina do ministro Paulo Guedes afetou a todos os níveis do setor educacional. “A tesoura alcançou os institutos federais (34,54%), o importante financiamento estudantil, o Fies (20,9%), e a Capes (13,4%), que mexe com o aperfeiçoamento dos profissionais. Nem mesmo os hospitais universitários foram poupados, perdendo 12,8% de seu orçamento. Ou seja, as medidas matam a educação básica, inviabilizam as universidades, negam as oportunidades ao aluno carente e ainda ferem gravemente os hospitais. Eu temo pelo futuro do Brasil”, preocupa-se.

O parlamentar destacou que a história das civilizações mostra que o desenvolvimento socioeconômico de uma nação, e a garantia do estado de bem-estar social a sua gente, passa necessariamente pelo investimento pesado em educação. “O Japão saiu da 2ª Grande Guerra destroçado, e tornou-se potência mundial por meio da educação. A Correia do Sul também perdeu muito na Guerra das Coreias e já teve o PIB semelhante ao do Paquistão, e hoje é o país que é. São exemplos para o mundo”, ressalvou, Leal.

O presidente da Alba condenou também o que classificou de desinvestimento no Ensino Profissionalizante. “As escolas técnicas também têm grande importância no crescimento do país e na redução do desemprego. Também necessitam de investimentos”.

“A Bahia precisa dar às mãos para brecar esses ataques às instituições. A UFBA é um orgulho do Estado e do país, pela sua história e produção científica, assim como as outras atingidas pelo bloqueio. Isso inviabiliza o funcionamento. A Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), por exemplo, vai perder 54% de suas verbas. São medidas inaceitáveis”, disse Nelson Leal.

Compartilhar