Moraes Moreira e Davi Moraes celebram a Bahia em show inédito no TCA

Músicos levam clima dos encontros carnavalescos na Praça Castro Alves para o teatro

Eles são pai e filho, mas também parceiros musicais desde sempre. O clima familiar, afetivo e festivo do encontro de vida entre Moraes Moreira e Davi Moraes dão o tom do show inédito que os dois apresentam no Teatro Castro Alves nesta sexta-feira (3), às 21h.  Munido de seu inseparável violão, Moraes celebra seus 50 anos de carreira. Já Davi Moraes, exímio guitarrista, comemora seus 30 anos de atuação profissional. “Fiz uma conta e vi que como profissional já estou chegando aos 30 anos de carreira, meu pai aos 50. Fomos juntando uma coisa na outra e decidimos que era hora de falar dessa gratidão e desse amor mútuo que existe entre os Moraes, a Bahia e o Carnaval”, comenta Davi Moraes. O show, formatado especialmente para a ocasião, é de agradecimento ao povo baiano, pela inspiração e influência na carreira de cada um.

“Nos últimos três anos, a gente voltou a viver momentos com emoções muito fortes, muito parecidos com os tempos áureos da Praça Castro Alves cheia, linda, com criança, com tudo, em um clima de paz e de leveza. Aquele é um templo sagrado do Carnaval, marcado pelos encontros, e a gente está muito feliz em estar de volta” – Davi Moraes

No repertório, canções da autoria de ambos que se tornaram “hits” enaltecendo a Bahia e a baianidade, seja na letra ou no espírito. “Eu sempre fiz música de Carnaval como música mesmo, com poesia, com letra, com melodia. Nunca encarei como se fosse uma sub-música, algo sazonal ou menor”, pondera Moraes, compositor de sucessos como  Chame Gente, Preta Pretinha, Cidadão e Eu sou o Carnaval. “Ouço muita gente dizer que Chame Gente tem que ser o hino da Bahia. O que eu digo é que isso é com vocês, que  devem reivindicar isso. Eu só fiz compor”, diz, rindo. Ao lado dessas canções, estarão novidades dos trabalhos mais recentes dos dois: Ser Tão, de Moraes, lançado ano passado; e Tá Em Casa, de Davi.

“Como pai de Davi, que viu no filho esse talento pra música desde cedo, como alguém que sempre deixou os instrumentos disponíveis para ele tocar, que sempre trouxe para perto as amizades que a música me deu e que sempre circularam pela minha casa, é uma alegria ver o músico que ele se tornou, um parceiraço. Sempre digo que estou mal acostumado, com um guitarrista desse porte em casa. Estamos celebrando muito esse encontro, meus 50 anos de carreira, os 30 anos dele, a nossa ligação forte com a Bahia. E aideia é colocar tudo isso no palco do teatro”, explica Moraes.

Davi Moraes comemora 30 anos de carreira profissional (Foto: Luiz Tripolli)

Muitas homenagens serão prestadas aos parceiros e ídolos eternos, que vão de Dorival Caymmi, João Gilberto e Batatinha, passando por Antônio Risério, Armandinho, Luiz Galvão, Capinam e outros Tropicalistas. “Vai ter um momento voz e violão muito livre em que eu vou declamar músicas e homenagear os parceiros que ajudaram a construir essa história comigo. Hoje eu tenho mais de 500 músicas gravadas, muitas delas interpretadas por artistas renomados da MPB. Então, é um momento de constatação de que você fez um trabalho marcante,de que muita coisa aconteceu, mas minha música continua viva”, afirma Moraes. Na ocasião, ele declama o poema Brasileira Academia para grandes figuras baianas da literatura e da poesia.

Nas respectivas formações musicais, ecoam os sons dos tambores afro e da música instrumental, além de outros magníficos instrumentistas. A dupla, que assina a direção geral do espetáculo, é acompanhada pela banda formada por Augusto Albuquerque (baixo), Jorginho Gomes (bateria), Roberto Stefesom (saxofone e flauta), Vander Nascimento (trompete), Rafael Meninão (acordeon) e Guerrinha (percussão).

Davi Moraes e Moraes Moreira em encontro no Carnaval 2019, na Praça Castro Alves (Foto: Evandro Veiga)

“A banda é tipo uma família nossa, que já vem com a gente há muitos anos de estrada, há muitos Carnavais. Totalmente eletrizada, ela vem com a pegada do Carnaval, mas não deixa de ter também alguns momentos voz e violão, mais intimistas, com números instrumentais meus e de meu pai, lembrando como tudo começou. Tem respeito e devoção a isso. Eu, como gutarrista e artista instrumental, também sigo essa tradição do meu padrinho Armandinho”, detalha Davi.

O resultado de tanta cumplicidade musical entre pai e filho, reforçada pela banda que já os acompanha há tantos carnavais, é um show pulsante, que atua na memória afetiva e no emocional do público, que, por sua vez, reaje de maneira espontânea e efusiva.

“De tantas coisas importantes e grandiosas que eu podia falar do meu pai, talvez a mais verdadeira é a de que o show de Moraes Moreira é um show de alegria. Sempre foi, sempre vi isso acontecer. Não tem jeito! É nato na música dele e a gente só faz acompanhar. É muito verdadeiro!”, comemora Davi. Para Moraes, uma responsabilidade muito grande, que só prova que o público continua vivo e vibrante. “Uma vez toquei com Djavan em um teatro, num projeto que homenageava Pixinguinha, e o pessoal dançou tanto que quebrou as cadeiras. Meu lema desde então é: não quebre, requebre as cadeiras”, brinca.

Djavan e Moraes Moreira em projeto que homenageou Pixinguinha, em 1979(Foto: Reprodução)

“É um encontro mais intimista no teatro, em que a gente pode estar levando esse clima da praça. A praça com o carpete no chão (risos). Tenho certeza que todo mundo vai sai de lá numa felicidade, botando uma energia muito positiva pra fora. A gente recebe isso no palco e com certeza as pessoas levam pra casa também”, finaliza Davi.

SERVIÇO
Show Moraes Moreira e Davi Moraes
Quando: 
3 de maio de 2019 (sexta-feira), 21h
Onde: Sala Principal do Teatro Castro Alves
Quanto: R$ 140 (inteira) e R$ 70 (meia), das filas A a H
R$ 120 (inteira) e R$ 60 (meia), das filas I a P
R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia), das filas Q a Z6
R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia), das filas Z7 a Z11
Classificação indicativa: 18 anos

Compartilhar