Cai número de multas por excesso de velocidade em Salvador

Número sofreu redução de 43% no primeiro trimestre desse ano, em relação ao mesmo período do ano passado

Será que os soteropolitanos estão sem pressa no trânsito, ficaram mais prudentes ou estão com medo das multas? Um levantamento da Transalvador aponta que o número de infrações por excesso de velocidade caiu em 43,13% no primeiro trimestre deste ano na capital baiana, se comparado ao mesmo período do ano passado.

O número de motoristas flagrados transitando em velocidade superior à máxima permitida em até 20%, que é a campeã entre as infrações, caiu de 119.218 para 67.791. A quantidade total de multas aplicadas também teve redução – de 213.647 no primeiro trimestre de 2018 para 141.513 no mesmo período deste ano.

Para o superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller, houve uma mudança de comportamento nos motoristas da cidade, provocada por um conjunto de fatores, como a conscientização, aliada a ações de controle.

“A fiscalização ostensiva promove uma mudança no cidadão, mas não somente isso. Na Suburbana, por exemplo, tivemos uma queda no número de atropelamentos depois que instalamos mais faixas e pontos de travessia. As blitze da Lei Seca, que há seis anos eram esporádicas, agora são frequentes. Isso muda o comportamento das pessoas”, disse.

Ele acredita que os radares ajudaram na queda desses números e afirmou que, no momento, não há expectativa de redução nem de ampliação no número desses equipamentos em atuação na cidade. “A fiscalização eletrônica, apesar de ser antipatizada pela população, é indispensável para o controle de velocidade”, afirmou.

Os principais corredores de tráfego da cidade continuam sendo os que mais registram infrações, mas são também os que mais tiveram redução de multas. São os casos das avenidas Afrânio Peixoto (Suburbana), Luís Viana (Paralela), Mário Leal Ferreira (Bonocô), Vasco da Gama e ACM.

Atenção redobrada
O aposentado Agnaldo Mira, 55 anos, é conhecido na família por ser um motorista prudente. Mesmo assim, foi multado em 2017. Ele acredita que a falta de atenção é a principal responsável pelas multas e que a quantidade de infrações reduziu porque os motoristas estão mais atentos aos limites das vias.

“Na Avenida Paralela, por exemplo, de um lado, o limite é de 80 km/h e de outro é 60 km/h. Quem não presta atenção nisso acaba sendo multado. É preciso ter atenção às placas de sinalização, principalmente em vias com mais de um limite de quilometragem. Sempre ando no limite da via e não sou multado”, contou.

Avançar o sinal vermelho do semáforo é a 5ª infração mais comum (confira ao lado), mas até o ano passado era a terceira. Foi justamente esse o motivo da multa de Agnaldo. “Estava em Água de Meninos, saindo do ferry-boat, e não vi que o sinal fechou quando passei”, contou.

Já a fotógrafa Vanessa Santos, 30, acredita que é a esperteza dos motoristas que está diminuindo as multas. Ela faz parte do grupo de condutores multados por estar até 20% acima da velocidade permitida da via e disse que o valor das multas é outro fator que tem redobrado a atenção de quem está no volante.

“A maioria das pessoas faz o mesmo caminho todos os dias e já sabe onde estão os radares. Além disso, os aplicativos de trânsito informam onde eles estão. O que vejo com frequência são motoristas reduzindo a velocidade quando se aproximam dos radares e depois acelerando novamente” , contou.

Em 2018, a Transalvador registrou 3.974 feridos em acidentes no trânsito da capital e outras 95 pessoas morreram, de janeiro a outubro. Os números de novembro e dezembro não foram divulgados. Em 2017, o número total de feridos foi de 5.101 com 121 mortos. Os dados de 2019 ainda não foram contabilizados.

Educação
Para o conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-BA) e advogado especialista em trânsito Osvaldo Emanuel Alves, a educação é a principal ferramenta para reduzir os excessos. Ele acredita que a sinalização das vias também teve papel fundamental nesse sentido.

“A cidade de Salvador está repleta de fotossensores eletrônicos e que limitam a velocidade de determinadas vias urbanas. Há algum tempo, essas vias não tinham indicativo claro de que eram controladas por radares. Hoje, ela traz esse indicativo e o motorista vai se adaptando a esse novo sistema”, afirmou.

Ele defende que as vias sejam mais sinalizadas, com a informação dos radares e quilometragem, e disse que os aplicativos de trânsito tem ajudado nesse sentido.

Em 2019, o excesso de velocidade é seguido pelas seguntes infrações como as mais recorrentes em Salvador: estacionar em desacordo com a regulamentação, estacionar em local ou horário proibidos, transitar na faixa ou via exclusiva para ônibus, e avançar o sinal vermelho.

Fique de olho:

Cinco das principais avenidas de Salvador, consideradas as mais movimentadas, também são, segundo a Transalvador, as campeãs de multas da cidade. Confira:

– Avenida ACM
– Avenida Bonocô
– Avenida Paralela
– Avenida Suburbana
– Avenida Vasco da Gama

Sem CNH
Os excessos cometidos no trânsito por alguns motoristas fizeram com que eles perdessem o direito de dirigir no ano passado. Segundo o Departamento Estadual de Trânsito (Detran-BA), em torno de 21 mil condutores tiveram a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa na Bahia no ano passado. O número representa 7,7% do total de habilitados em todo o estado da Bahia.

A Coordenação de Acompanhamento dos Processos de Habilitação (CAPH) do órgão informou que, também em 2018, 12.241 motoristas cumpriram a penalidade, entregando a Carteira de Habilitação e realizando o curso de reciclagem.

Ainda não há um balanço em 2019, mas já tem motorista se prontificando a cumprir com a obrigação. “Em 2019, aproximadamente 600 motoristas entregaram a CNH para cumprimento da penalidade. Vale salientar que em 2019 ainda não houve aplicação de penalidade, mas sim, notificação para apresentação de defesa”, diz a nota.

A Bahia tem 2,74 milhões de habilitados, sendo que 2 milhões deles são homens (72,9%) e outras 740 mil são mulheres (27,1%). A capital, Salvador, é o munícípio com maior concentração de motoristas do estado. São 816 mil (29,7%), sendo 265 mil mulheres e 550 mil condutores do sexo masculino. A maioria é habilitada na Categoria B, para carro – 566 mil no total.

Compartilhar