Tarados são flagrados espiando moradoras de condomínio

Já pensou perder a privacidade dentro de sua própria casa? É o que está acontecendo com alguns moradores do Condomínio Amazônia, na Avenida Paralela. Isto porque, um morro situado ao lado de alguns prédios virou arquibancada para tarados de plantão. Pelo menos cinco homens são vistos com frequência observando o interior dos imóveis e a piscina, frequentada, na maioria das vezes, por  crianças.

Rodrigo Meneses

650x375_condominio-amazonia_1498769

Já pensou perder a privacidade dentro de sua própria casa? É o que está acontecendo com alguns moradores do Condomínio Amazônia, na Avenida Paralela. Isto porque, um morro situado ao lado de alguns prédios virou arquibancada para tarados de plantão. Pelo menos cinco homens são vistos com frequência observando o interior dos imóveis e a piscina, frequentada, na maioria das vezes, por  crianças.

No último domingo, uma moradora conseguiu fotografar um dos tarados. O homem chega de bermuda e depois fica só de cueca se masturbando. Segundo a moradora, que pediu anonimato, o tarado olhava em direção à piscina.

A bancária Daiana Gama mora há oito anos no local e, desde que chegou, percebeu o problema. Ela relata que morava no terceiro andar e há seis anos se mudou para um apartamento no 12º para ter alguma privacidade.

“Quando eu tirei minha licença-maternidade e fiquei em casa, sofri com isso. Tinha um cara que ficava assobiando para mim. Uma vez, coloquei minha secretária para ficar entretendo ele, enquanto meu marido e um amigo tentaram pegá-lo no mato. Mas não conseguiram achar”, lembra.

A economista Elizabete Maria também mora no 12º andar e quase todos os dias flagra alguém no morro. A maior preocupação dela é com as filhas de 9 e 10 anos, que já viram  os  tarados.

tarados-no-condomminio-amzonia_1498775

 

 

Problema antigo e nunca resolvido

Elizabete já orientou as filhas a não ficarem olhando pela janela. “Minhas filhas não podem chegar na janela e já gritam assustadas porque é o dia todo esses caras aí no mato. Já liguei para a polícia (190) várias vezes. Eles anotam os dados, mas nunca vem”.

Ainda conforme a economista, alguns dos homens se exibem quando são vistos. “Eles afrontam a gente”, completa.

O síndico geral do condomínio, Pedro Fernandes, diz que o problema é antigo e que já ligou para a polícia várias vezes também, mas ninguém aparece. “O assunto já virou piada por aqui. Os moradores das três torres que ficam ao lado do morro são os mais importunados. Já teve policial morador que deu tiro, mas não adiantou”.

Fernandes acredita que o problema piorou depois de uma invasão nos fundos do Amazônia.

PM diz desconhecer problema

O acesso dos homens ao matagal onde eles observam o Condomínio Amazônia se dá pelo bairro do Saboeiro, mais precisamente na região próxima ao final de linha, na ladeira que liga o bairro à Paralela. Existe um grande fluxo de veículos pelo local, mas poucas pessoas se aventuram a passar ao lado da mata.

A assessoria de imprensa da Polícia Militar informou que a 23ª CIPM (Tancredo Neves) não recebeu nenhuma solicitação a respeito do problema. O órgão ficou de apurar se a Central de Polícia (Centel) recebeu alguma solicitação, mas até o fechamento da matéria não enviou a resposta.

Compartilhar