Rui Costa é testemunha de Lula na Zelotes

O governador da Bahia depôs ontem como testemunha de Lula no processo da Operação Zelotes.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT) depôs ontem como testemunha no processo da Operação Zelotes. Na ação, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva responde por lavagem de dinheiro e tráfico de influência. A ação penal investiga se Lula, ao editar uma medida provisória (MP) em 2009, recebeu propina para favorecer empresas do setor automobilístico. A MP prorrogou os benefícios fiscais concedidos a montadoras de veículos localizadas nas regiões Centro-Oeste, Nordeste e Norte. “Através de vídeo conferência, conclui agora há pouco, na condição de testemunha de defesa do ex-presidente Lula, meu depoimento à Justiça Federal, aqui em Salvador. Fui convidado pelo próprio Lula a testemunhar no processo relacionado a incentivos fiscais concedidos ao setor automotivo”, escreveu Rui no Facebook.

“A Medida Provisória sobre o tema é de 23 de novembro de 2009. Eu não poderia recusar a um convite de Lula, e também aproveitei a oportunidade para falar sobre a necessidade dos incentivos fiscais para indústrias que geram emprego e renda no Nordeste”, completou.

Deflagrada no fim de março de 2015, a Operação Zelotes da Polícia Federal investiga um dos maiores esquemas de sonegação fiscal já descobertos no país. Suspeita-se que quadrilhas atuavam junto ao Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), órgão ligado ao Ministério da Fazenda, revertendo ou anulando multas. A operação também foca em lobbies envolvendo grandes empresas do país.

Em outubro de 2015, a Polícia Federal realizou um mandado de busca e apreensão na empresa LFT Marketing Esportivo, que pertence a Luís Claudio Lula da Silva, filho de Lula. A companhia é suspeita de ter recebido repasses da Marcondes & Mautoni, empresa de lobistas que atuaram na aprovação de medida provisória que prorrogou a isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a indústria automobilística. O nome Zelotes vem do adjetivo zelote, referente àquele que finge ter zelo. Ele faz alusão ao contraste entre a função dos conselheiros do Carf de resguardar os cofres públicos e os possíveis desvios que efetuaram.

Compartilhar