Indícios ligam João Bacelar a esquema de corrupção investigado pela PF

Indícios coletados pela Polícia Federal (PF) ligam o deputado federal João Bacelar (PR) ao esquema de corrupção na Agência Nacional de Mineração (ANM) na Bahia, desbaratado pela Operação Terra de Ninguém. Um dos principais alvos da nova ação da PF, Cláudio da Cruz Lima, assumiu o cargo de gerente da ANM no estado por indicação de Bacelar, feita ainda no governo Michel Temer (MDB). De acordo com investigadores da Terra de Ninguém, Lima e outros três servidores do órgão recebiam propina para beneficiar empresários próximos ao grupo político responsável pela nomeação de dirigentes da ANM. Deflagrada anteontem, a operação cumpriu 22 mandados de busca e apreensão em Salvador e Lauro de Freitas.

Pela tangente
Apesar das suspeitas sobre suas ligações com o esquema na ANM, João Bacelar não está oficialmente sob o cerco da Terra de Ninguém. Como possui foro privilegiado, o deputado baiano só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF).

Compartilhar