Alexandre Aleluia pede revogação de lei que classifica Salvador e Havana como cidades-irmãs

Prescrição foi sancionada em 1993 por Lídice da Mata, então prefeita da capital baiana

O vereador Alexandre Aleluia (DEM) apresentou, nesta segunda-feira (21), um projeto de lei que propõe o fim da parceria entre as cidades de Salvador e Havana, que por prescrição sancionada pela então prefeita Lídice da Mata em 1993, são consideradas cidades-irmãs até hoje.

De acordo com o democrata, a capital baiana “não merece ter o seu nome associado a uma sede da ditadura genocida”.

“Salvador é cidade-irmã de cerca de outras 20 cidades e o conceito de ‘cidade-irmã’ vem de uma relação paradiplomática de cooperação cultural e política. Salvador não pode ser cidade-irmã de Havana, que é a sede de uma ditadura genocida como a ditadura cubana. Salvador não pode continuar com essa cooperação cultural e política. […] Não tem o que cooperar com uma ditadura”, avaliou Alexandre.

“Por isso, dei entrada em uma revogação contra a Lei nº 4.735/1993, sancionada por Lídice da Mata na década de 1990, então prefeita. Eu espero que essa revogação seja aprovada e que Havana não seja mais modelo para a nossa cidade. Os regimes totalitários e genocidas de Cuba não podem ser referências para nenhuma cidade que queira que a liberdade de seus cidadãos seja respeitada”, completou.

Compartilhar