Rui minimiza críticas após enviar policiais ao Ceará

"O povo nordestino vai se manter unido contra o crime", disse o governador

O governador Rui Costa (PT) minimizou as críticas que tem recebido de oposicionistas após enviar 100 policias militares para atuar no combate aos ataques do crime organizado no Ceará. “O povo nordestino vai se manter unido contra o crime. Aqui é uma região que cresce economicamente, mas o forte do Nordeste ainda é o turismo. Então, não podemos permitir que a imagem do Nordeste fique manchada como o lugar onde os criminosos mandam. A Bahia perderia muito economicamente e o povo iria sofrer, porque se o crime achar que manda no Nordeste, amanhã poderá ser na Bahia, em Pernambuco ou em outro estado. Aqui tem que ficar claro que quem manda é a lei”.

O petista alfinetou os adversários. “Quero aqui um pedido para que os políticos, independente da sua filiação partidária, deixem de priorizar a política, o seu partido político, e passem a pensar no povo. Passem a agir a favor da população. Quando for o período eleitoral, aí cada um pensa na política. Mas não pode o tempo todo, acaba a eleição e as pessoas não descem do palanque. Continuam fazendo discurso político sem pensar na população. Então, deixem a política um pouquinho de lado e pensem na população”.

“Não é dando moleza para bandido que nós vamos acabar com a bandidagem. Não é permitindo que o mesmo grupo criminoso toque fogo em um Estado e amanhã ele vai tocar fogo aqui, depois em outro lugar. E ninguém faz nada. ‘Não podemos nos unir porque um deputado de oposição pode criticar, um presidente de partido pode criticar’. Eu não tenho medo de críticas. Fui eleito com mais de 75% dos votos do povo para governar e para cuidar da população. Tenho consciência do que fiz. Digo que essa é uma decisão nossa, dos governadores do Nordeste, que vamos  nos unir e nos ajudar para deixar os bandidos fora do Nordeste brasileiro. Vamos dar um recado claro de que aqui eles não vão dominar a sociedade e intimidar os homens de bem”.

Indagado sobre como será a relação com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL), Rui disse esperar que a relação seja pautada pelo que manda a Constituição Federal. “A expectativa é que tenhamos uma relação com base na Constituição, que diz que todos os estados devem ser tratados de forma igualitária. Eu fui eleito para governar a Bahia. Não posso, de maneira nenhuma, fazer perseguição a este ou aquele município porque o prefeito é filiado ao partido A, B ou C. Sendo eleito governador, tenho a obrigação de governar para todos os municípios. Assim também é o presidente da República”, destacou. “Temos a expectativa de que tenhamos um tratamento respeito, dentro da lei. Até porque, no Nordeste brasileiro mora quase 30% da população do Brasil. Um povo que merece cuidados e atenção do governo federal”, completou.

Ainda na entrevista, Rui confirmou que o secretário de Desenvolvimento Rural, Jerônimo Rodrigues, continuará na gestão, mas deverá ser realocado em outra pasta. Além de Jerônimo Rodrigues, permanecerão no governo Bruno Dauster (Casa Civil), André Curvello (Comunicação) e Manoel Vittório (Fazenda).

Compartilhar