Chuvas provocam transtornos no interior do estado

Previsão é de mau tempo até o domingo (9)

Os moradores do município de Palmeiras, na Chapada Diamantina, levaram um susto no final da tarde desta quarta-feira (5). O tempo fechou, uma chuva forte caiu por volta das 16h e seguiu até às 8h desta quinta-feira (6), com alguns momentos de interrupção. A cidade foi uma das atingidas pelo mau tempo previsto pelo Instituto Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

Segundo a secretária de Governo e responsável pela Defesa Civil de Palmeiras, Albani Sales, a chuva causou alguns estragos na cidade e alagamentos na zona rural. O mau tempo provocou também goteiras nos prédios públicos e alterou a rotina dos servidores.

“A luz caiu quando começou o temporal e ficamos sem internet, por isso, os servidores foram liberados mais cedo que o normal. A chuva alagou alguns órgãos e foi preciso fazer a limpeza antes de iniciar os trabalhos nesta quinta. O expediente começa às 8h, mas hoje começamos por volta das 9h30”, contou.

A secretária informou que o estrago não foi maior porque há alguns meses a prefeitura fez a limpeza do córrego que corta a cidade. Em março, ele transbordou durante um temporal, destruiu ruas e invadiu casas. O tempo está nublado no município, nesta quinta-feira, e a previsão é de mais chuvas nas próximas 24h. “Foi uma surpresa porque, geralmente, ela vem no final do mês, não no começo”, disse.

Interior
A região da Chapada Diamantina foi uma das mais atingidas, segundo o Inema. A cidade de Lajedinho foi a mais castigada, com 73mm entre está quarta e quinta-feira. Em seguida teve Nova Redenção (57 mm), Itaetê (52.4 mm), e Lençóis (49.4 mm). Os outros municípios ficaram abaixo de 40 mm.

O Oeste também registrou muita água. São Desiderio tem dois postos de observação, em um deles foram contabilizados 150 mm e no outro 80.4 mm. Correntina e Barreiras também aparecerem no topo da lista, com 78 mm e 63.2 mm, respectivamente.

No Nordeste o destaque foi para Cansanção (61.4 mm) e Jacobina (49.8 mm). No Norte a cidade mais atingida foi Ibipeba (44.2 mm). No Recôncavo, Camaçari (63.6 mm) e Santa Terezinha (54.2 mm) foram as mais castigadas. Os moradores de Cachoeira contaram que estão amargando o tempo abafado.

Segundo a dona de casa Maria Anunciação Lima, 45 anos, choveu no último final de semana, mas não foi suficiente para diminuir a temperatura. “Os dias estão nublados, mas continua aquele mormaço. O sol abriu hoje, mas o céu está carregado de nuvens. Vai chover mais tarde”, afirmou.

Vitória da Conquista (50.8 mm) foi a única cidade do Sudoeste que registrou mais de 25 mm de chuva. O destaque do São Francisco foi Paratinga (35.8 mm). A região Sul foi a menos atingida nas últimas 24h, com Iguatinga registrando 31.4 mm.

Em Ilhéus, houve alagamentos e algumas famílias ficaram desabrigadas. Apesar dos transtornos provocados pelo acumulo de águas dos últimos dias, de ontem para hoje a cidade teve apenas 8.8 mm. Bem diferente da terça-feira (4), quando o munícipio registrou 41 mm de água.

Tempo
O mau tempo é consequência da atuação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) que surge da Amazônia e segue do Norte para o Nordeste do país. Este ano as chuvas começaram a se intensificar a partir do dia 25 de novembro e deve continuar até o domingo (9), com mais aberturas na sexta (7) e no sábado (8).

A meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Cláudia Valéria, contou que apesar dos transtornos as chuvas estão dentro da normalidade e que nesta época é comum grandes volumes em poucas horas.

“Ela está bem distribuída pelo interior do estado. As regiões Oeste, Chapada Diamantina, Sul e Nordeste foram as mais atingidas. A previsão é de que aconteça abertura no tempo nos próximos dias e de que as chuvas retornem a partir de domingo”, disse.

Em Itajuípe, cidade também no Sul do estado, a chuva fez o rio Cachoeira transbordar e inundar uma praça.

Capital
Em Salvador, a Defesa Civil (Codesal) informou que a previsão é de pancadas de chuvas fracas em áreas isoladas a qualquer momento. O mau tempo também está relacionado a atuação da ZCAS e não deve provocar alagamentos nem deslizamento de terra.

A previsão para sexta (7) e sábado (8) é a mesma, céu parcialmente nublado com poucas possibilidades de chuvas e sem risco de alagamentos ou deslizamentos de terra. O mau tempo deve reaparecer no domingo (9), mas de forma fraca e moderada. A ZCAS voltará a atuar sobre a capital e o recôncavo e, por isso, existe risco de regiões ficarem alagadas e de ocorreram deslizamentos de terra.

Compartilhar