Bruno Reis ‘talvez seja o mais destacado’ do grupo para 2020, diz Neto

ACM Neto admitiu que o vice-prefeito Bruno Reis (DEM) pode ser seu candidato para eleição de 2020

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), admitiu que o vice-prefeito Bruno Reis (DEM) pode ser seu candidato para eleição de 2020. O chefe do Palácio Thomé de Souza ressaltou, no entanto, que Bruno “é um dos nomes que nós temos”. “Talvez, é o mais destacado e reconhecido, mas não quer dizer que nós decidimos que Bruno é o candidato. Isso não está decidido. Vai ser decidido na hora certa. Ele vai ter toda condição de fazer o trabalho dele para se viabilizar. É um quadro qualificadíssimo e tem plenas condições de ser prefeito de Salvador, mas isso só na hora certa”, declarou, em entrevista à Veja Online. O prefeito revelou que pretende estudar fora do país após deixar o cargo em 2021. Disse que ainda não pensa sobre a eleição 2022. Presidente nacional do DEM, Neto voltou a ser cauteloso sobre a possibilidade de seu partido integrar o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). “O DEM quer que o país dê certo. Quer que o governo dê certo. Nós nos sentimos obrigados a dar a nossa contribuição. No entanto, esta decisão, se nós seremos ou não base, vai acontecer no momento certo. Não creio que isso vá tardar demais para acontecer”, ressaltou.

Ele voltou a defender a candidatura de Rodrigo Maia à presidência da Câmara dos Deputados. “Tem uma coisa que aproxima Rodrigo das expectativas do futuro governo que é a agenda econômica. Rodrigo é a favor das reformas. Ele quer tocar. Isso é fundamental para o governo”, destacou. Neto afirmou que, se o governo do capitão da reserva tiver êxito, vai acabar com o “mito” de que o Nordeste é uma região “dominada pelo PT”. “É tendo um governo federal não petista, que assegure as políticas sociais, tenha um olhar prioritário ao Nordeste e acabe de uma vez por toda com essa política de medo, que foi implantada pelo PT. O PT sempre usou, em suas campanhas eleitorais, o discurso de que qualquer um não petista que chegasse ao governo iria retirar os direitos do cidadão mais pobre. O presidente Bolsonaro tem a chance e a oportunidade – acho que vai aproveitar – para acabar com o mito e afastar o medo que acabou se espelhando pela região”, salientou.

Neto disse torcer para que o PT fique “extremamente reduzido”. “Na minha opinião, o PT vive hoje um momento muito delicado, mas é fundamental que o governo dê certo para eleitor sentir que o voto valeu a pena e entender que o lugar do PT é na oposição”, pontuou. O prefeito defendeu que Bolsonaro privatize as estatais, como a Eletrobras, mas se mostrou contra entregar à iniciativa privada a Petrobras. “Temos um baita déficit fiscal que só vai ser equacionado com a busca de receitas extraordinárias. Não adianta apostar as fichas em aumentar impostos. Não dá agora para aumentar imposto. O governo acerta ao descartar aumento de imposto. Então, como você vai elevar a receita? Uma das alternativas é vendendo ativos do governo, vendendo empresas. Que empresas? Empresas que não fazem sentido serem públicas. Tem serviços que não precisam ser do governo”, afirmou.

Sobre a Petrobras, Neto afirmou que privatizar integramente é “equivoco”. “A privatização da empresa em si, eu sou contra. Privatizar a Petrobras de porteira fechada, eu sou contra. Acho que é, do ponto de vista estratégico, um equívoco para o país. Agora, existem operações que podem ser transferidas para a iniciativa privada, como subsidiárias. Acho que não é privatizar tudo, mas também não deve ter embargo para privatizar nada”, pontuou. O prefeito se mostrou contra algumas bandeiras do governo Bolsonaro, como reduzir a maioridade penal e facilitar o porte de arma.

Compartilhar