Irmão de Zé de Lessa, chefão do BDM, é morto pela polícia no Maranhão

Oito pessoas foram presas, inclusive um PM, pegando dinheiro do roubo

Três homens morreram em confronto com a Polícia Militar do Maranhão durante um assalto a banco na cidade de Bacabal. De acordo informações divulgadas nesta segunda-feira (26) pela Secretaria da Segurança Pública do Maranhão (SSP-MA), um dos homens é um baiano que é irmão de Zé de Lessa, fundador da facção criminosa Bonde do Maluco.

O homem, que não teve o nome divulgado, morreu ao lado de outro homem do Tocantins e outro do Maranhão. Os três, segundo a SSP-MA, integravam o bando que, no domingo (25), assaltou o Banco do Brasil da cidade maranhense.

“Portanto, são bandidos da Bahia associados a bandidos do Tocantins e a bandidos daqui para praticar essas ações. É uma modalidade conhecida como ‘novo cangaço’, que usa extrema violência e busca matar policiais. Não vamos permitir isso aqui no Estado do Maranhão; e isso custará muito caro para eles”, afirmou o secretário da Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela.

A SSP-MA informou que a Polícia Militar do estado busca fugitivos por toda a região. A Polícia Civil também atua nas buscas. “Vamos buscar um por um, como já fizemos em 100% dos casos de roubo a banco. Somos o Estado que tem 300 assaltantes de banco presos e 100% dos casos elucidados com prisões ou neutralizações de bandidos”, disse Portela.

Durante a ofensiva dos criminosos, a Polícia Militar reagiu – com armamentos que incluíam fuzis – e conseguiu expulsar a quadrilha do município. Além dos três mortos, duas pessoas foram presas por suspeita de envolvimento com a quadrilha. “O bando tinha dezenas de pessoas”, segundo informou a SSP-MA.

A pasta informou ainda que, durante a ação, os bandidos atacaram duas delegacias e o batalhão da PM. Também fizeram pelo menos dois pontos de bloqueio na cidade para tentar impedir a ação da polícia, ateando fogo em carros.

“De imediato todos nós, a noite toda, acompanhamos nossos policiais, que são homens que praticaram atos de bravura. Os policiais partiram para cima, neutralizaram definitivamente três criminosos e isso deu um recado claro para eles. Viram que a força letal também estava sendo usada contra eles. Por isso,  essa fuga estabanada deles para todos os lados”, acrescentou o secretário.

Helicóptero
Cerca de 300 policiais estão participando da operação de busca pelos fugitivos. A ação inclui buscas por meio de helicóptero. “Informo que a polícia adotou todas as providências cabíveis, inclusive com deslocamento de efetivo de cidades vizinhas. O comandante-geral da PM está na região”, disse o governador Flávio Dino, em sua conta no Twitter.

No total, foram presas oito pessoas: dois suspeitos de envolvimento com o bando, sendo que um estava recolhendo o dinheiro deixado no chão do local do roubo; e mais seis pessoas pegando o dinheiro deixado no chão após o assalto.

“Tentaram se aproveitar de uma situação de crise, criando mais problema para a polícia, que já tinha que combater os próprios assaltantes. Nessa condição, foi preso um soldado da PM do Piauí, armado no local. Ele será investigado profundamente para saber se só praticou esse ato de querer levar vantagem ou se ele fez algum trabalho prévio de cobertura para a quadrilha”, explica Portela.

Perfil do BDM
Um dos cinco grupos criminosos mais atuantes na Bahia, e considerado o mais violento, o Bonde do Maluco (BDM) surgiu em 2015 no pavilhão V do Presídio Salvador, no Complexo Penitenciário da Mata Escura. Liderada pelo assaltante de banco José Francisco Lumes, o Zé de Lessa, que está foragido, o grupo nasceu como uma ramificação da facção Caveira, comandada por Genilson Lima da Silva, o Perna, atualmente preso no Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná.

Entre inúmeras tentativas para prendê-lo, Zé de Lessa, apontado como chefão do BDM, foi o principal alvo da Operação Sapucaia, realizada em abril de 2016 pela Polícia Federal na Bahia e no Mato Grosso do Sul, com o objetivo de cumprir 13 mandados de prisão. Ele é o ás de ouros do Baralho do Crime da Secretaria da Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), ferramenta que reúne os principais criminosos do estado.

Número 1 do Bonde do Maluco, Zé de Lessa já chegou a ser preso, mas foi solto e é procurado (Foto: Divulgação)

O bandido foi caçado em Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai. Dos 13 mandados de prisão, a Polícia Federal conseguiu cumprir oito. Alguns deles, dentro do próprio sistema penitenciário baiano. O alvo da operação é apontado pela polícia como o maior distribuidor de drogas da capital e do interior, com especialidade em assalto a bancos e a carros-fortes.

Zé de Lessa começou na vida do crime fazendo assalto a instituições financeiras. Foi preso algumas vezes e a última vez que saiu da prisão foi para terminar de cumprir a pena no regime domiciliar. Desde então, foi morar na cidade de Coronel Sapucaia, no Mato Grosso do Sul, divisa com o Paraguai, de onde começou a enviar carregamentos de drogas para abastecer sua quadrilha na Bahia.

Ele criou o BDM dentro da cadeia e logo a facção passou a ganhar destaque. Tornou-se o principal rival do grupo criminoso Katiara, comandada por Roceirinho, e passou a disputar pontos de droga com o rival. Ele tem entre seus principias comparsas alguns parentes.

Compartilhar