Dados privilegiados de Moro podem ser usados para ‘pressão de parlamentares’, diz Otto

"Que tem problema aí, pode lá na frente ter dificuldades com isso. Ele vai ser um ministro privilegiado", afirmou senador

O senador Otto Alencar (PSD) afirmou, em entrevista à Rádio Metrópole, que o juiz federal Sérgio Moro vai levar para o Ministério da Justiça informações ainda não reveladas da Operação da Lava Jato que podem ser usadas para pressionar parlamentares.

“Ele vai ter informações que vai chamar o presidente da República e dizer: ‘eu tenho aqui esses dados de fulano de tal’. E pode usar isso para pressão de parlamentar. Isso pode ser usado. Não tenha a menor dúvida. Quem tem problema aí, pode lá na frente ter dificuldades com isso. Ele vai ser um ministro privilegiado”, afirmou. “Aqueles que estão dentro do Senado e respondem a Lava Jato vão ter que votar com governo. Só se o cara for muito corajoso. Moro vai ter a informação privilegiada e vai oferecer ao presidente”, acrescentou.

Para o congressista, o magistrado deveria concluir a Lava Jato antes de aceitar o convite. No entendimento dele, o juiz deixa de ser “pedra para virar vidraça” como ministro.

Otto avalia que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) se beneficia com a ida Moro para o governo. “O convite eu tinha convicção de que seria feito. Já circulava lá em Brasília. O aceite de Sérgio Moro é que me chamou muita atenção. Ele aceitar já que abertamente dizia que jamais entraria na política. De alguma forma, o Bolsonaro cresce com isso porque o Sérgio Moro tem uma popularidade muito grande pelo trabalho que fez na operação Lava Jato”

Compartilhar