ACM Neto pede que Bolsonaro tenha “olhar especial” à Bahia

O democrata disse, ainda, esperar que o governador Rui Costa (PT) esteja “aberto ao diálogo” com o novo chefe do Palácio do Planalto

O presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, pediu, ontem, que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) tenha um “olhar todo especial” à Bahia. O democrata disse, ainda, esperar que o governador Rui Costa (PT) esteja “aberto ao diálogo” com o novo chefe do Palácio do Planalto. O petista baiano apoiou Fernando Haddad (PT) na disputa presidencial.

“Enquanto a Bahia e o Nordeste, espero que ele tenha um olhar todo especial. Que trabalhe ao lado dos prefeitos e governadores. O pronunciamento dele foi muito maduro de quem tem noção do seu compromisso com o país, respeitando a Constituição e as liberdades individuais. […] Caberá a ele olhar para o Nordeste e para a Bahia, é o que vou defender. Se ele tiver essa posição, terá todo o meu apoio. Caso se posicione de outra maneira, eu não estarei ao lado. A Bahia vai merecer muito respeito por parte do próximo presidente. É importante dizer que defendo que ele tenha um diálogo próximo com o governador mesmo sendo do PT, porque o interesse dos baianos deve estar acima das diferenças políticas. Espero que o governador mesmo tendo feito uma campanha muito dura contra Bolsonaro, ele também esteja aberto ao diálogo”, afirmou ACM Neto, durante entrevista coletiva, na Mansão Margarida Costa Pinto, no Corredor da Vitória.

Neto fez questão de ressaltar que o eleitor brasileiro não deu um “cheque em branco” a Bolsonaro e disse torcer para que o presidente eleito “unifique o Brasil”. “A minha esperança é de que dialogue com todos e governe para todos. Não dá para governar apenas para quem votou nele. É a minha expectativa. Foi um resultado contundente. A gente não pode deixar de constatar que foi uma diferença expressiva. Portanto, o Brasil mostrou que quer uma nova política, uma nova forma de trabalhar”, salientou.

O presidente do DEM assegurou que seu partido não vai indicar quadros para o governo de Bolsonaro. “O presidente eleito que tem que dizer que tipo de relação ele quer ter com o Congresso e com os partidos políticos. Nós não vamos indicar ninguém, mas ele tem a liberdade de escolher quadros do Democratas. […] Se seremos base ou não do governo, vai depender da agenda que ele vai apresentar ao país. Se for uma agenda positiva, nós estaremos juntos e vamos ajudar o governo. Tudo isso vai depender dos próximos capítulos desta novela, que espero que seja com um fim feliz”, ressaltou. Neto disse que estão “mantidas” todas as críticas que fez a Bolsonaro no primeiro turno. “Tanto que não dei um apoio incondicional. Eu mantive as ressalvas que fiz e as diferenças que tenho de pensamento e de práticas em relação à vida pública”, pontuou.

Compartilhar